El-Baradei pede ao Irã que permita inspeções mais detalhadas

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Mohamed el-Baradei, iniciou negociações com líderes iranianos nesta quarta-feira para tentar obter autorização para a realização de inspeções mais minuciosas das instalações nucleares mantidas por Teerã. Ele pediu mais transparência e o direito de inspecionar locais suspeitos sem aviso prévio. "Acreditamos que somente por meio desse sistema o Irã tem o direito de usar energia nuclear e tecnologias a ela relacionadas para fins pacíficos", disse El-Baradei. Para os líderes iranianos, a visita de El-Baradei tem como objetivo "estabelecer uma relação de confiança mútua", informou a estatal Rádio Teerã. A AIEA é subordinada à Organização das Nações Unidas. El-Baradei vem afirmando que pretende conseguir do Irã a assinatura de protocolos adicionais do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Esses documentos teriam como objetivo dar aos inspetores da agência o direito de visitar qualquer instalação nuclear sem aviso prévio. O diretor-geral da AIEA também deverá pedir ao governo iraniano que autorize os inspetores a colherem amostras ambientais nos locais onde haveria urânio enriquecido armazenado - um processo que pode ser empregado na fabricação de armas atômicas. O ministro das Relações Exteriores do Irã, Kamal Kharrazi, disse a El-Baradei que seu governo precisa convencer o público interno antes de assinar qualquer protocolo adicional, de acordo com a estatal Agência de Notícias da República Islâmica (Irna). "A opinião pública do Irã é sensível à abordagem do governo em relação a convenções nacionais. Precisamos de justificativas para explicar às pessoas e aos partidos políticos que nossa abordagem está de acordo com nossos interesses nacionais", prosseguiu a agência citando Kharrazi. O Irã vem alegando que permitiria inspeções mais rigorosas se tivesse garantido o acesso a tecnologia nuclear mais avançada como signatário do TNP e membro da AIEA. Teerã acusa o governo dos Estados Unidos de utilizar sua influência junto a outras potências nucleares para impedir a venda dessas tecnologias. Washington acusa o Irã de estar em busca de armas nucleares e pede mais transparência por parte do governo iraniano. Teerã nega as acusações americanas e insiste que sua programa nuclear tem fins estritamente pacíficos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.