Eduardo Verdugo/Associated Press
Eduardo Verdugo/Associated Press

'El Chapo' pagou US$ 100 milhões a Peña Nieto, diz testemunha

Segundo Alex Cifuentes, chefe do cartel de Sinaloa pagou o suborno para não ter mais que se esconder

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2019 | 22h21

NOVA YORK - Uma testemunha afirmou nesta terça-feira (15), durante o julgamento do chefe do tráfico mexicano Joaquín "Chapo" Guzmán, em Nova York, que ele pagou ao ex-presidente Enrique Peña Nieto uma propina de US$ 100 milhões. 

"O senhor Guzmán pagou uma propina de US$ 100 milhões ao presidente Peña Nieto?", perguntou o advogado de defesa Jeffrey Lichtman a Alex Cifuentes, narcotraficante colombiano que foi sócio do mexicano e agora colabora com a Justiça. 

"Foi assim", respondeu Cifuentes em seu contrainterrogatório, embora em seguida tenha dito que não estava certo do valor. 

"A mensagem era que Guzmán não precisava continuar se escondendo?", perguntou o advogado. 

Cifuentes assentiu, afirmou que foi isso que lhe disse El Chapo, com quem trabalhou estreitamente de 2007 até a prisão da testemunha, em novembro de 2013. Chegou, até mesmo, a morar com ele nas montanhas de Sinaloa nos primeiros dois anos. 

Em janeiro de 2016, ao começar a cooperar com o governo americano, Cifuentes disse a promotores que Peña Nieto, presidente do México até 30 de novembro, pediu inicialmente um suborno de US$ 250 milhões a El Chapo, e obteve finalmente US$ 100 milhões. 

Mas nesta terça-feira a testemunha disse a Lichtman que não lembrava o montante original, reportaram vários veículos americanos. 

Na mesma reunião, Cifuentes disse às autoridades americanas que uma mulher chamada Comadre Maria entregou os US$ 100 milhões de El Chapo a Peña Nieto em outubro de 2012, segundo Lichtman. Interrogado a respeito nesta terça-feira, ele indicou que não lembrava bem dessa data. 

El Chapo, acusado de traficar mais de 155 toneladas de drogas para os Estados Unidos, pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado. 

Segundo Lichtman, a testemunha também disse a promotores em fevereiro de 2016 que os narcotraficantes Beltrán Leyva pagaram propinas ao ex-presidente mexicano Felipe Calderón (2006-2012) em troca de proteção para El Chapo e o cartel de Sinaloa. 

No entanto, Cifuentes assegurou nesta terça-feira que não lembrava bem do assunto. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.