'El País', em editorial, explica foto falsa

Após reiterar desculpas por identificar homem em operação como Hugo Chávez, jornal diz que autenticidade foi garantida por agência

MADRI, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2013 | 02h01

O jornal espanhol El País detalhou ontem em editorial as circunstâncias nas quais obteve uma foto que chegou a ser publicada na quinta-feira em suas edições impressa e online como sendo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e provocou uma crise com o governo bolivariano. A imagem, de um homem com respirador artificial em uma mesa de operação, é de um vídeo médico desde 2008 no YouTube.

Segundo o jornal, ao negociar a foto, a agência espanhola Gtres garantiu se tratar de uma imagem obtida por uma enfermeira cubana, que teria usado sua irmã para vendê-la. A correspondente do jornal em Havana, a blogueira Yoani Sánchez - que também é colunista do Estado -, não pôde verificar a autenticidade da foto, ainda de acordo com a publicação, por ser dissidente do regime dos irmãos Castro.

O editorial A foto que o 'El País' nunca deveria ter publicado diz ainda que o jornal ficou sabendo do erro por redes sociais no momento em que imprimia a edição. A foto foi tirada da web meia hora depois de ser publicada.

Conforme o relato do jornal espanhol, a imagem foi oferecida à redação na manhã de quarta-feira. Segundo o Estado apurou, a foto foi mantida pela direção do jornal sob sigilo durante o dia. "Nem mesmo os correspondentes do jornal na Venezuela foram consultados porque se temia que a foto vazasse. Ela só foi para o site quando já não poderia ser comprada na América Latina", disse um jornalista. O vídeo de onde a imagem foi tirada era conhecido na Venezuela havia alguns dias.

O diário afirma que buscou mais informações ao longo do dia com a agência, que pediu à direção do jornal que não divulgasse detalhes sobre a enfermeira para que ela não sofresse represálias. Segundo o jornal concorrente El Mundo, uma foto similar foi oferecida por 30 mil.

"El País quis deixar bem claro a seus leitores que não pôde verificar as circunstâncias nas quais a foto foi feita em razão das restrições aplicadas pelo regime cubano à informação", diz o editorial. "A correspondente de El País na ilha, Yoani Sánchez, além disso, é uma conhecida crítica proibida de consultar fontes oficiais e tem seus movimentos vigiados."

No texto, o jornal afirma ainda ter debatido se a imagem de um homem doente tinha valor jornalístico. A decisão pela publicação foi tomada porque se pensava que a imagem era de Chávez, cuja saúde e ausência da Venezuela se tornou de interesse público.

Na noite de quinta-feira, o ministro de Comunicações da Venezuela, Ernesto Villegas, anunciou que o governo tomaria medidas legais contra El País. O governo considerou insuficiente o pedido de desculpas do diário espanhol. "Nem sequer estenderam as desculpas ao presidente Chávez e à sua família e ao povo venezuelano", criticou Villegas. "(O jornal) violou todas as normas do jornalismo ético e seu manual (de redação)." / EFE e AFP, COLABOROU RODRIGO CAVALHEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.