'Ele deveria ter se matado', diz pai de Breivik

Jens David Breivik disse que se sente envergonhado por atos do filho e que não quer vê-lo novamente

estadão.com.br

26 de julho de 2011 | 12h27

Polícia cerca casa de Jens Breivik no sul da França

 

 

O pai de norueguês Anders Behring Breivik, acusado de matar 76 pessoas em um atentado duplo na Noruega, disse que se sentia envergonhado e enojado pelos atos de seu filho e desejou que ele tivesse cometido suicídio.

 

 

Veja também:

linkBreivik pode ser acusado por crimes contra humanidade

linkInício do conteúdo ''Não devemos ceder à paranoia'', diz educador

linkExtremista aponta 'malefícios' da miscigenação no Brasil

linkAtirador estava na lista de serviço secreto

mais imagens GALERIA: A 'Marcha das Rosas' de Oslo

blog ARQUIVO: Relembre ataques na Europa

 

 

"Não me sinto como seu pai", disse Jens David Breivik, um ex-diplomata norueguês de 66 anos, durante uma entrevista em sua casa no sul da França. "Como ele pode simplesmente ficar lá e matar tantas pessoas inocentes e achar que o que ele fez estava 'OK'? Ele deveria ter tirado sua vida também. É o que ele deveria ter feito".

 

 

Jens disse que soube dos ataques do filho por meio de jornais online. "Eu não conseguia acreditar nos meus olhos. Eu não consegui entender, não podia ser verdade. Mas mesmo assim, era".

 

Breivik pai disse que cortou todo o contato que tinha com o filho em 1995, quando Anders tinha 16 anos. "Ele não era violento, nem extremista quanto a suas visões. Era um rapaz quieto e um pouco introvertido. Só isso". O ex-diplomata disse não compreender a atual visão extremista do filho.

 

Perguntado se achava que Anders era mentalmente doente, Jens afirmou "Tem que ser. Não há outra maneira de explicar. Uma pessoa normal nunca faria tal coisa".

 

O norueguês disse ainda que não pretende viajar para seu país natal para se encontrar com o seu filho. "Não pretendo ter mais nenhum contato com ele, nem nos meus momentos mais sombrios".

 

"Terei que viver com essa vergonha pelo resto da minha vida. As pessoas sempre me ligarão a ele", disse.

 

A polícia cercou a casa do pai de Anders no sul da França na segunda, a princípio dizendo que estavam realizando buscas no local. Posteriormente divulgaram que permaneceriam no local para assegurar a ordem pública.

 

"Não estou acostumado com a atenção da imprensa. Me mudei para essa vila em busca de tranquilidade, e não de atenção, disse Jens".

 

Com informações da Associated Press, Reuters e CNN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.