Eleição argentina inicia com atraso em algumas sessões

As eleições parlamentares na Argentina começaram às 8 horas deste domingo na maioria das Províncias e municípios do país, mas algumas sessões registram atraso devido à falta de autoridades e fiscais de mesa que não compareceram ao local de votação. Até as 9h15, em Mendoza e Santa Fe, algumas escolas ainda não tinham sido abertas e as filas já estavam longas.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 09h54

O primeiro candidato a votar foi o senador Carlos Reutemann, ex-governador e atual senador pela Província de Santa Fe, que tenta a reeleição e tem aspirações de ser candidato à Presidência em 2010. Outros nove deputados neste distrito serão eleitos.

Reutemann (Partido Justicialista - PJ) que rompeu a aliança com a Frente para a Vitória, sublegenda peronista que representa o kirchnerismo - a linha de apoio político da presidente Cristina Kirchner e seu marido Néstor, o ex-presidente - disputa sua liderança com o governador socialista da província, Hermes Binner, que também aspira ao cargo político máximo do país.

Em Santa Fe, onde votam 2.376.861 eleitores que representam 8,5% dos votos do país, o kirchnerismo não tem chances de uma vitória. A briga eleitoral está polarizada entre o dissidente Reutemann e o socialista Binner. O resultado de hoje será definitivo para o futuro das aspirações de ambos de sair na frente na corrida presidencial.

Nas eleições argentinas de hoje, votam aproximadamente 28 milhões de pessoas que vão renovar metade da Câmara (127 cadeiras) e um terço do Senado (24 vagas).

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.