Eleição de mulher como primaz ameaça dividir Igreja Anglicana

Mesmo antes de a episcopisa Katharine Jefferts Schori ter sido confirmada como a primeira mulher primaz da Igreja Anglicana nos EUA, os setores mais conservadores dos episcopalianos já solicitaram que a eleição fosse anulada.A polêmica é um novo episódio na luta que conservadores e progressistas travam na Igreja Anglicana (também conhecida como Episcopaliana) sobre a ordenação de mulheres e homossexuais, e ameaça provocar um racha entre os 2,3 milhões de anglicanos norte-americanos.Horas depois de os bispos anglicanos dos EUA terem eleito, no domingo, Schori como sua líder, o bispo texano Jack Iker solicitou ao arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, que anule a eleição e nomeie outro primaz.Williams, líder espiritual dos 77 milhões de anglicanos de todo o mundo e chefe da Igreja da Inglaterra, já manifestou, em comunicado, "suas orações e bons desejos" a Schori. Mas o arcebispo de Canterbury reconheceu, em seu comunicado, que a Convenção Geral da Igreja Episcopal passa por "uma série de decisões extremamente difíceis". Há anos, a Igreja Anglicana enfrenta uma considerável queda no número de fiéis. Paralelamente, tem dificuldades para atrair jovens, e um quarto de seus membros tem mais de 65 anos.Conservadores X ProgressistasOs setores mais progressistas da Igreja consideram que a ordenação de mulheres e a abertura a homossexuais permitirão a revitalização da fé. Já os grupos mais conservadores ameaçam um racha caso os anglicanos mantenham esse caminho.Iker, uma das vozes mais conservadoras dos anglicanos americanos, advertiu que a eleição de Schori como líder dos bispos americanos por 95 votos 93 contra 93 - designação que ainda terá de ser confirmado pelos delegados da convenção que está sendo realizada em Columbus (Ohio) - é "um elemento a mais de divisão".O órgão diretor da Igreja Anglicana - a Câmara de Bispos - teme que a diocese da Pensilvânia, a quinta maior dos Estados Unidos, com 60 mil membros e contrária à ordenação de mulheres e homossexuais, possa deixar a Igreja.Iker insinuou que a autoridade de Schori pode não ser reconhecida pela maioria dos outros 37 primados da fé anglicana espalhados pelo mundo."Quando se transformar na primeira mulher primaz da Comunhão Anglicana, terá de ver como será considerada pelos outros 37 primados que, em sua vasta maioria, vêm de províncias onde as mulheres não podem ser escolhidas como bispos", afirmou.Iker se referia ao fato de apenas outras duas províncias anglicanas - Canadá e Nova Zelândia - contarem com mulheres episcopisas. Os Estados Unidos são os primeiros a eleger uma mulher como primaz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.