Eleição na Austrália será decidida por estreita margem, aponta pesquisa

Partido Trabalhista tem pequena vantagem sobre oposição conservadora

estadão.com.br

20 de agosto de 2010 | 11h42

 

SYDNEY - O governo trabalhista da Austrália deve conseguir a maioria no Parlamento por uma pequena margem de diferença sobre a oposição conservadora, indica uma pesquisa de intenção de voto divulgada nesta sexta-feira, 20, véspera das eleições legislativas do país.

 

De acordo com o levantamento dos jornais Sydney Morning Herald e The Age, os trabalhistas, partido da atual primeira-ministra Julia Gillard, tem 52% das intenções de voto, enquanto a oposição conservadora, liderada por Tony Abbot, tem 48%. "O mais provável é uma vitória estreita dos trabalhistas", disse Peter Hartcher, editor de política do Herald.

 

O Partido Trabalhista, liderado pela premiê, tinha uma vantagem maior sobre a oposição, mas nos últimos dias a campanha conservadora conseguiu empatar as intenções de voto.

 

A retomada da coalizão capitaneada por Abbott, um político que por sua discreta trajetória gerou ceticismo quando há menos de um ano foi eleito líder do Partido Liberal, foi recebida com preocupação pela primeira-ministra. "Será devastador se me levantar no domingo e o senhor Abbott for primeiro-ministro", disse Julia aos jornalistas.

 

Crocodilo deparque temático 'escolhe' o vencedor.

 

(Com informações das agências Efe e Associated Press)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.