Eleição na Irlanda vira referendo sobre a paz

A Irlanda do Norte (Ulster) elegeu sua nova Assembléia Legislativa que tem, entre outras atribuições, designar o primeiro-ministro. O pleito é considerado plebiscitário pelos analistas - sim ou não ao processo de paz. O resultado das eleições só será conhecido na sexta-feira, em conseqüência do complicado processo eleitoral da província, dividida entre protestantes e católicos.Entre os 1,1 milhão de cidadãos com direito a voto, os protestantes detêm clara maioria e deverão fazer a bancada mais numerosa do plenário, de 108 cadeiras. Durante toda a campanha eleitoral, o Partido Unionista do Ulster (UUP), do líder protestante moderado David Trimble, e o Partido Democrático do Ulster (DUP), de Ian Paisley, reverendo radical e contrário ao acordo de paz concluído em abril de 1998, disputaram, voto a voto, preferência do eleitorado protestantes. As autoridades britânicas temem um bloqueio do processo de paz se o DUP vencer.Os analistas lembram que o descontentamento entre os protestantes com o moderado UUP cresceu muito desde as eleições de 1998. Naquele ano, Trimble bateu Paisley com vantagem. Fez 28 cadeiras - 8 a mais que o rival. Com base no acordo de paz, Londres suspendeu o governo da província em maio, na esteira de um caso de espionagem do partido católico Sinn Fein (braço armado do IRA) no Ministério britânico para o Ulster.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.