Eleição para morto

Moradores de Tracy City, no Tennessee, preferem votar em candidato que morreu há quase um mês a dar um novo mandato à atual líder

Afp e Ap, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

A pequena cidade de Tracy City, no Estado americano do Tennessee, elegeu um novo prefeito na terça-feira: Carl Robin Geary. Ele está enterrado numa das covas do pequeno cemitério da cidade desde 10 de março, mas, mesmo morto, conseguiu derrotar a atual prefeita, Barbara Brock, que tentava se reeleger. Geary, que sofreu um ataque cardíaco há quase um mês, recebeu 268 votos, enquanto Barbara teve apenas 85.

A situação inusitada provocou um raro impasse político na cidade e mostrou o quanto a atual prefeita é detestada pela maioria dos moradores da minúscula Tracy City.

"Eu sabia que ele já estava morto. Parece estupidez, mas nós queríamos alguém que não fosse ela (a atual prefeita). Se Geary se candidatasse de novo na semana que vem, eu votaria nele de novo", disse o empresário Chris Rogers, dono do Lunch Box, um dos poucos restaurantes da cidade, que tem apenas 1.652 habitantes.

Sem saída. Diante do impasse, o cargo será declarado vago e os quatro vereadores da cidade ficarão encarregados de nomear um novo prefeito nos próximos dias, de acordo com o jornal Chattanooga Times, que divulgou a improvável história.

Barbara, que assumiu o posto em 2008 - substituindo um outro prefeito que também morreu de parada cardíaca enquanto exercia o mandato -, atribuiu sua derrota a um punhado de "bons rapazes" descontentes com suas reformas para "embelezar" a pequena cidade.

A prefeita também culpou a nostalgia dos eleitores de Tracy City por sua derrota inesperada numa eleição de apenas dois candidatos.

Segundo Barbara, alguns moradores simplesmente demonstraram com seus votos que preferem "voltar ao passado". Para ela, Geary, um interiorano de poucas palavras e olhar franco, que costumava circular pela cidade usando sempre um rústico macacão de mecânico, representa o oposto da modernidade para Tracy City.

Ao ser questionada sobre como se sentia por ter sido derrotada por um candidato morto, Barbara limitou-se a responder: "Sobreviverei."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.