Eleição pode provocar 'cenário egípcio', diz líder russo

O líder do Partido Comunista da Rússia, Gennady Zyuganov, disse nesta terça-feira que uma revolta popular como a que ocorre no Egito poderia varrer do poder o partido governista russo, o Rússia Unida, se a população vir a provável vitória dele nas próximas eleições como ilegítimas. Zyuganov, cujo partido vai competir com a Rússia Unida, legenda do primeiro-ministro Vladimir Putin, nas eleições legislativas no próximo dia 4, advertiu que o partido governista iria manipular os resultados eleitorais.

AE, Agência Estado

29 de novembro de 2011 | 12h13

"Quando você viu o canalhas realizarem eleições limpas?", questionou o líder de 67 anos em uma entrevista ao jornal diário de negócios Vedomosti. Ele afirmou que a vitória do Rússia Unida poderia ser percebida como uma armação e que a desconfiança em relação aos poderes dominantes poderia levar a uma dissidência aberta.

"As autoridades ilegítimas poderiam se transformar em um grave perigo no futuro próximo", afirmou ele, apontando que o ex-líder egípcio Hosni Mubarak triunfou nas eleições logo antes de ser derrubado. "Eu conheço bem Mubarak. Ele e o Partido Democrático Nacional obtiveram 78% (dos votos) meio ano antes de ele ter sido deposto. Nenhum egípcio acreditava nesse desfecho. Nós podemos ver a mesma coisa no nosso país."

O partido de Mubarak venceu duas rodadas de eleições parlamentares em novembro e dezembro do ano passado em meio a acusações de fraude. Protestos em massa em janeiro e fevereiro se encerraram com a renúncia do então líder. O ex-ditador está em julgamento por assassinato e corrupção junto com dois filhos. Mubarak atualmente se encontra em um hospital militar do Cairo, onde se alega que ele está em tratamento contra um câncer. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiaeleiçãocomunista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.