Eleição presidencial caminha para o segundo turno no Equador

Com mais de 60% dos votos apurados, o magnata da indústria bananeira Alvaro Noboa e o coronel dareserva Lucio Gutiérrez lideram a votação do primeiro turno da eleição presidencial ocorrida ontem no Equador e despontam como favoritos para disputar o segundo turno, em 24 de novembro. A grande surpresa da jornada eleitoral é Gutiérrez - que se amotinou ao lado dos indígenas para derrubar em 2000 o presidente Jamil Mahuad. O candidato da Sociedade Patriótica 21 de Janeiro se reveza na liderança das eleições com Noboa, do Partido Renovação Institucional Ação Nacional. No entanto, ambos são seguidos de perto por outros três candidatos. O socialista León Roldós tem 16,46%, o ex-presidente Rodrigo Borja, está em quarto com 15,20 e o direitista Xavier Neira soma 14,01%. Pesquisas de boca-de-urna foram proibidas pelo Tribunal Superior Eleitoral, que só divulgou os primeiros resultados parciais depois da abertura de aproximadamente 15% das urnas. Gutiérrez, de tendência esquerdista, manifestou preocupação com a possibilidade de fraude. "Quero convidar os equatorianos a comparecerem em massa às mesas apuradoras paragarantir que a vontade do povo seja respeitada", disse ao fim da votação. Observadores eleitorais da União Européia apontaram desorganização em algumas seções de votação, mas não reportaram nenhuma irregularidade. Nas eleições deste domingo, votaram aproximadamente 5,4 milhões de equatorianos, de um total de 8,1 milhões habilitados como eleitores - o que significa uma taxa de abstenção de 34%. Os votos somados dos outros seis candidatos presidenciais não chega até a 10% do total.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.