Eleições em Honduras podem ser antecipadas

No primeiro sinal de concessão do governo de facto de Honduras, o presidente designado Roberto Micheletti disse hoje que não tem "nenhuma objeção" em antecipar as eleições gerais programadas para 29 de novembro. De acordo com ele, essa seria uma possível saída para a crise causada pela deposição do presidente Manuel Zelaya.

GUSTAVO CHACRA, ENVIADO ESPECIAL, Agencia Estado

02 de julho de 2009 | 21h53

Questionado em uma entrevista coletiva se, diante de uma eventual proposta da Organização dos Estados Americanos (OEA), aceitaria convocar uma votação antecipada, Micheletti disse que estaria "totalmente de acordo". No entanto, ele disse que a decisão precisaria de um "arranjo político" para ser concretizada.

O governo de facto de Honduras enfrentará dificuldades para impedir o retorno de Zelaya. Apesar de, em Tegucigalpa, a imprensa local descartar a possibilidade de reinstalação do presidente deposto, analistas afirmam que este é o cenário mais provável dos que vêm sendo projetados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.