Ueslei Marcelino/REUTERS
Ueslei Marcelino/REUTERS

Eleições na Bolívia: Mesa só entra em auditoria se Evo não reconhecer vitória no 1.º turno

Pedido de verificação do resultado das eleições foi feito pelo governo à Organização dos Estados Americanos (OEA) após oposição denunciar supostas fraudes

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2019 | 16h42

LA PAZ - O candidato da oposição derrotado na corrida à presidência da Bolívia, Carlos Mesa, afirmou que só aceitará uma auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre as eleições de 20 de outubro se o presidente Evo Morales não reconhecer vitória em primeiro turno.

A declaração foi uma resposta de Mesa ao governo, que pediu que ele participasse de uma auditoria, liderada pela OEA, juntamente com representantes do México, do Paraguai e do Peru, para reavaliar o processo eleitoral.

Em Santa Cruz (leste), o opositor disse a jornalistas que apresentou um ‘contra-questionamento’ ao governo: “Se está disposto a não aceitar o resultado do Tribunal Supremo Eleitoral” enquanto a auditoria é realizada e se reconhecerá um ‘caráter vinculante’.” Mesa afirmou que só dessa maneira aceitará participar da auditoria, como pediu o vice-presidente Álvaro García. Ele acrescentou que aguarda uma resposta do governo.

A auditoria foi apresentada na última semana por Evo ao secretário-geral da OEA, Luis Almagro, depois que a oposição denunciou uma suposta fraude nas eleições a favor do mandatário e com cumplicidade do Tribunal Eleitoral (TSE).

A princípio, o sistema de contagem rápida de votos do TSE previa um segundo turno entre Evo e Mesa. No entanto, após 20 horas sem novas informações sobre o andamento da contagem, o tribunal passou a indicar uma vitória de Morales no primeiro turno e, logo depois, declarou o presidente reeleito com 47,08% dos votos contra 36,51% de Mesa. A lei eleitoral boliviana considera vitorioso em primeiro turno o candidato que tiver mais de 50% dos votos ou conseguir 40% dos votos e uma vantagem de 10 pontos porcentuais em relação ao segundo colocado.

Luis Almagro aceitou a solicitação de Evo e propôs uma análise integral e vinculativa dos resultados da auditoria, que ainda não tem data definida de realização.

Mesa lembrou que a própria missão de observadores da OEA encontrou ‘uma irregularidade gigantesca’ e ‘aspectos inaceitáveis’ nas eleições, razão pela qual sugeriu a realização de uma nova votação entre Evo e Mesa. Essa proposta também tem apoio da União Europeia e países como Estados Unidos, Colômbia e Brasil.

Sobre os protestos contra o resultado das eleições, Mesa ressaltou que “a mobilização do povo boliviano não será suspensa, não será detida”. As manifestações já entram em sua segunda semana e registram confrontos esporádicos entre governistas e opositores diariamente. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.