Aizar Raldes/AFP
Aizar Raldes/AFP

Eleições na Bolívia sofrem novo adiamento e são remarcadas para 18 de outubro

Programada inicialmente para maio, votação irá substituir a de 2019, que foi cancelada por alegações de fraude e levou à renúncia do ex-presidente Evo Morales

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2020 | 16h49

O Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) da Bolívia adiou para 18 de outubro as eleições presidenciais e legislativas do país, que seriam realizadas em 6 de setembro. A mudança, motivada pela pandemia do coronavírus, foi anunciada pelo presidente Salvador Romero nesta quinta-feira, 23.

Romero afirmou que o adiamento segue os relatórios médicos de que a pandemia terá seu pico mais alto entre o fim de agosto e o começo de setembro.

Programadas inicialmente para maio, as eleições substituem as de outubro de 2019, que foram canceladas por alegações de fraude e levaram à renúncia e saída do país do ex-presidente Evo Morales.

"A data definitiva da eleição gera melhores condições para a proteção da saúde, as instalações de votação no exterior e a chegada de missões internacionais de observação", argumentou o presidente do TSE. Ele disse que a decisão é "resultado de considerações legais, científicas e políticas".

Além de 18 de outubro como data programada para o primeiro turno, o Tribunal Superior Eleitoral definiu que o eventual segundo turno acontecerá em 29 de novembro. As cerimônias de posse dos eleitos serão em dezembro, segundo cronograma apresentado.

O pleito visa eleger presidente e vice-presidente, além de deputados e senadores, cargos que estão sendo ocupados interinamente desde a anulação do realizado em outubro do ano passado.

A Igreja Católica se juntou às forças conservadoras bolivianas na manhã de quinta-feira para exigir o adiamento das eleições devido à escalada da pandemia, que registra no país mais de 64 mil infectados e 2.328 mortos.

Por outro lado, o Movimento para o Socialismo (MAS), partido do ex-presidente Morales e do candidato líder de intenções de votos Luis Arce, e a Central Operária Boliviana (COB) insistiam na realização das eleições na data prevista.

De acordo com boletim mais recente, a Bolívia registra 64.135 casos de infecção pelo novo coronavírus, e 2.328 em decorrência da covid-19. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.