REUTERS/Sergio Perez
REUTERS/Sergio Perez

Eleições na Espanha: A instabilidade política se torna crônica

País realiza quatro pleito em quadro anos com um Parlamento muito fragmentado

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2019 | 12h00

MADRI – A Espanha, que realiza neste domingo, ,10, suas quartas eleições legislativas em quatro anos, sofre desde o final de 2015 um instabilidade política crônica, com um Parlamento muito fragmentado. Relembre os principais fatos que marcaram este período.

Dezembro de 2015: o bipartidarismo explode

As eleições legislativas de 20 de dezembro de 2015 marcam o fim do bipartidarismo entre o Partido Popular (PP, conservador) de Mariano Rajoy, que vence embora tenha perdido sua maioria absoluta, e o Partido Socialista (PSOE), que fica em segundo lugar, mas também cede terreno.

Dois novos partidos – Podemos (esquerda radical) e Cidadãos (centro direita) – entram com força no Parlamento fracionado como nunca desde o restabelecimento da democracia em 1977, após o fim da ditadura de Francisco Franco.

Diante da impossibilidade de compor uma coalizão de governo, são convocadas novas eleições, em 26 de junho de 2016. O PP consegue um ligeiro avanço, mas o bloqueio persiste.

Outubro de 2016: Rajoy toma posse

Depois de dez meses de paralisia política, Mariano Rajoy é empossado como presidente do governo, mais uma vez, em 29 de outubro, graças aos votos do Cidadãos e à abstenção de uma parte dos socialistas.

Pouco antes, estes últimos haviam defenestrado seu líder, Pedro Sánchez, defensor do “não é não”, culpando-o pelo pior resultado eleitoral dos socialistas em 40 anos.

Para Entender

Guia para entender por que a Catalunha quer se separar da Espanha

Movimento ganhou força em 2017; entenda os principais motivos dos separatistas

Junho de 2018: Sánchez destrona Rajoy

Em 24 de maio, o PP é condenado em um megaprocesso por corrupção. Devolvido à liderança do PSOE pelas bases, Pedro Sánchez apresenta uma moção de censura contra Rajoy.

Sai vitorioso em 1º de junho e se torna presidente do governo, graças aos votos do Podemos, dos nacionalistas bascos e dos separatistas catalães.

Fevereiro de 2019: sem orçamento, novas eleições

À frente do governo mais minoritário da democracia espanhola, Sánchez apresenta um orçamento antiausteridade, negociado com o Podemos, com a esperança de esgotar a legislatura em junho de 2020.

Fracassam, porém, as negociações com os separatistas catalães, que reivindicam um referendo de autodeterminação inaceitável para Sánchez. Isso coincide com o início, em Madri, em 12 de fevereiro, de um histórico julgamento contra dirigentes separatistas.

Com o orçamento travado pelos separatistas, PP e Cidadãos, Sánchez convoca eleições antecipadas para 28 de abril.

Para Entender

Além de Francisco Franco, veja outros líderes exumados ao longo da história

Stalin foi enterrado no mausoléu de Lenin, mas depois de oito anos seus restos mortais foram transferidos para um local mais modesto

Setembro de 2019: Sánchez sem apoio

Vencedor das eleições, Sánchez se torna o único candidato com chances de formar governo, mas tem apenas 123 deputados de 350 em um Congresso ainda mais fragmentado pelo surgimento do ultradireitista Vox.

Em julho, sua tentativa de ganhar a confiança dos deputados fracassa pela abstenção da esquerda radical do Podemos. A sigla considera insuficiente a oferta de coalizão oferecida pelos socialistas.

Dois meses mais tarde, Sánchez não consegue o apoio do Podemos, nem a abstenção dos liberais do Cidadãos, nem dos conservadores do Partido Popular (PP) em uma hipotética sessão de posse. Diante do bloqueio, são convocadas novas eleições, em 10 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.