Eleições no Afeganistão têm 550 acusações de fraude

As acusações de fraude nas eleições presidenciais do Afeganistão chegaram a 550, mais do que dobrando o número anunciado pelos investigadores há dois dias, afirmaram autoridades afegãs. A informação indica como deve ter sido forte a intimidação durante as eleições realizadas no dia 20 de agosto, ameaçando a legitimidade da votação. As centenas de acusações podem adiar o anúncio final dos resultados, que não pode ser feito até que as denúncias tenham sido investigadas. Espera-se que os resultados sejam revelados apenas em meados de setembro. O atraso pode criar um vácuo de poder no país e o volume de acusações pode alimentar a violência se os eleitores sentirem que foram enganados.

AE-AP, Agencia Estado

30 de agosto de 2009 | 10h06

Neste domingo, uma autoridade eleitoral foi atacada no sul do país quando homens em motocicletas atiraram nele em frente a sua casa em Kandahar, de acordo com Mohammad Samimi, porta-voz da comissão eleitoral provincial. A autoridade está internada em um hospital militar. Até agora, os resultados parciais das eleições mostram o presidente Hamid Karzai na liderança, com 46,2% dos votos, enquanto o candidato opositor Abdullah Abdullah tem 31,4%. Karzai precisa atingir 50% dos votos para evitar um novo confronto com Abdullah.

A popularidade de Karzai tem diminuído nos últimos anos por causa de suspeitas de corrupção e do aumento da violência. O atual presidente também vem sendo criticado por convocar ex-comandantes militares a ganharem os votos que eles controlam. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoeleiçõesfraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.