Eitan Abramovich / AFP
Eitan Abramovich / AFP

Eleições no Uruguai: Entenda por que haverá recontagem de votos

Diferença entre os candidatos Luis Lacalle Pou e Daniel Martínez é de cerca de 30 mil votos; para determinar o vencedor, é preciso recontar os chamados ‘votos observados’

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2019 | 10h30

A diferença entre os candidatos presidenciais que participaram da eleição de domingo, 24, no Uruguai é tão apertada em relação aos votos “observados” ou duvidosos que a população terá de esperar a corte realizar uma recontagem.

O tribunal eleitoral uruguaio afirmou que os resultados da disputa entre Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, e Daniel Martínez, do Frente Ampla, deve ser divulgado na quinta ou sexta-feira.

A apuração inicial apontou que Lacalle Pou obteve 48,71% dos votos e Martínez, 47,51%, Os funcionários da corte eleitoral darão início na terça-feira a uma nova contagem das cédulas de votação em cada um dos 19 departamentos do Uruguai.

Os ‘votos observados’

A diferença entre os dois candidatos é de cerca de 30 mil votos. Para determinar o vencedor, a peça central é a recontagem dos chamados “votos observados”, quando os eleitores votam em locais diferentes da jurisdição eleitoral normal por algum motivo justificado ou que não aparecem no registro. No pleito de domingo, houve 35 mil votos desta forma.

Para Entender

Cenário: Mais uma mudança de poder à vista na América Latina

Com os governantes passando por dificuldades em toda a América Latina, a guinada à direita no Uruguai ficou clara nas eleições gerais de 27 de outubro

A lei 13.882 de 1970 estabelece em seu Artigo 5.º que nesses casos, a pessoa poderá votar de forma "observada", mas a Corte deverá verificar a existência do eleitor e reinscrevê-lo no registro para que seu voto seja contabilizado como válido. Assim, a recontagem demanda mais tempo.

O cenário é adverso para Martínez. O candidato de 62 anos precisa receber 91% dos votos observados, segundo a consultoria Enia, que analisa as estatísticas da votação.

Além disso, os delegados dos partidos que participam das contagens departamentais poderão pedir ao órgão eleitoral que se considere válido um voto que foi anulado por alguma anomalia, como uma cédula em mau estado, por exemplo.

Aguardando o vencedor

No primeiro turno eleitoral, em outubro, os votos anulados que foram contabilizados alcançaram apenas 1,7 mil, número que não muda o resultado da eleição, explica Federico Comesaña, diretor da Enia.

Para Entender

Perfil: Lacalle Pou, herdeiro de um clã de políticos tradicionais

O candidato do Partido Nacional busca a presidência do Uruguai pela segunda vez

A recontagem do segundo turno começará por volta das 12h de terça-feira e deve seguir até sexta-feira, segundo Comesaña. O vencedor assumirá o poder no dia 1.º de março. 

Enquanto Lacalle Pou considera o resultado “irreversível”, Martínez diz que esperará os números oficiais. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.