Christopher Gregory/The New York Times
Christopher Gregory/The New York Times
Imagem Helio Gurovitz
Colunista
Helio Gurovitz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Eleições nos EUA: o domínio dos republicanos na Câmara

A democrata Hillary Clinton consolidou o favoritismo à Casa Branca nas últimas semanas; se vencer, terá de conviver com uma Câmara de Representantes controlada pelo Partido Republicano

Helio Gurovitz, O Estado de S. Paulo

14 Agosto 2016 | 05h00

A democrata Hillary Clinton consolidou o favoritismo à Casa Branca nas últimas semanas. Se vencer, terá de conviver com uma Câmara de Representantes controlada pelo Partido Republicano. A disputa nas eleições para deputado está indefinida em apenas 26 dos 435 distritos eleitorais, de acordo com um levantamento do Cook Political Report. Nos demais, 184 elegerão democratas; e 225, republicanos.

O domínio republicano na Câmara é resultado do redesenho geográfico dos distritos em 2010 – em inglês, “gerrymandering”. Em seu novo livro, o jornalista e pesquisador David Daley conta como, no controle de 26 legislaturas e 29 governos estaduais, o Partido Republicano implementou um projeto chamado Redmap, que reuniu áreas de perfil eleitoral conservador, onde consolidou sua maioria. Daley considera o acirramento na polarização política uma consequência natural do “gerrymandering”. Um candidato sabe de antemão que seu rival no partido adversário não tem chance no distrito. Para evitar ser desafiado por extremistas no próprio partido, vê-se obrigado a adotar um discurso mais ideológico, refratário a compromissos.

Deixa Trump falar

O republicano Donald Trump insinuou que, caso Hillary indique “seus juízes” para a Suprema Corte, apenas o “pessoal da Segunda Emenda” poderia fazer algo. A Segunda Emenda garante o direito individual ao porte de armas. Ameaças e incitações ao crime, como a bravata de Trump, são protegidas pela Primeira Emenda – que garante liberdade de expressão. Uma ameaça só se torna crime se houver meios ou uma intenção verossímil de cumpri-la, diz o blog jurídico PopeHat.

Chacinas contagiosas

Até que ponto assassinos que massacram inocentes sofrem influência de massacres anteriores? Pesquisadores da Universidade do Estado do Arizona aplicaram às chacinas um modelo de contágio de doenças. “Descobrimos evidências significativas de que assassinatos em massa envolvendo armas de fogo são incentivados por eventos similares no passado”, dizem. O efeito do contágio dura em média 13 dias.

Paradoxos do Brexit

As áreas que mais votaram a favor do Brexit na Inglaterra não foram aquelas com maior proporção de imigrantes, mas aquelas onde a imigração cresceu mais desde 2004, segundo uma análise estatística da Resolution Foundation. Também são as regiões que mais exportaram indústrias e empregos no mesmo período – e mais receberam subsídios da União Europeia.

Lava Jato, uma estrela global

A América Latina desbancou a Ásia como destaque internacional no combate à corrupção. O jurista Matthew Stephenson, da Universidade Harvard, cita avanços nos governos da Argentina e do Peru, investigações na Guatemala, o novo arcabouço institucional no México e, naturalmente, a Operação Lava Jato. “A Lava Jato expôs a corrupção sistêmica na elite política do Brasil – que ocorre há décadas, mas só agora veio à luz”, diz Stephenson.

Brasil em quinto na Olimpíada

A última do estatístico Nate Silver foi criar um índice que multiplica as medalhas olímpicas de cada país pela popularidade de cada esporte. Uma medalha no futebol deveria, diz ele, valer 13 medalhas comuns; uma no basquete ou no vôlei de praia, oito. Pelos critérios de Silver, o Brasil pularia do 16.º para o 5.º lugar no total de medalhas obtidas na Olimpíada de Londres, em 2012, atrás apenas de EUA, China, Rússia e Japão.

O legado de outras Olimpíadas

Instalações abandonadas depois da Olimpíada de Atenas, em 2004, abrigam hoje um campo com 1.300 refugiados afegãos. Em Pequim, o Ninho do Pássaro, estádio erguido para os Jogos de 2008, custa US$ 11 milhões anuais em manutenção – só é usado em eventos esporádicos. A desolação tomou conta de hotéis e arenas construídos em Sochi para os Jogos de 2014. Em Londres, projetos habitacionais que faziam parte do plano olímpico original ainda são apenas desenhos sobre fotografias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.