Eleições parlamentares podem decidir futuro de Putin

O partido da situação na Rússia da procura ampliar seu poder no parlamento russo através das eleições de hoje e o único suspense verdadeiro parecer ser sobre quanto mais poder ganharão os seguidores do presidente Vladimir Putin, antes que ele tente a reeleição no ano que vem.A Rússia vem-se equipado, há semanas, para a votação envolvendo 109 milhões de eleitores registrados, da Ilha Ratmanov, no Estreito de Bering, ao Extremo Leste, no enclave de Kaliningrad, no Mar Bático.O partido pró-Kremlin, Rússia Unida, está tentando ganhar a maioria de dois terços das 450 cadeiras na Câmara, conhecida como Duma. Com a maioria, o partido pode obter mudanças na constituição russa. Se conseguir essa margem, o Kremlin poderia pressionar por eliminar da constituição o item que limita o presidente a apenas uma reeleição.O líder russo e sua mulher, Lyudmila, acordaram cedo para votar num instituto de pesquisa de Moscou, ocasião que ele descreveu como ?o evento mais importante do dia?. Apesar disso, a primeira família russa acordaria de qualquer modo às 9h30 para levar o cachorro favorito de Putin para a caminhada matinal.Ele pareceu surpreso, entretanto, quando lhe perguntaram em quem votara.?Acho que podemo-nos considerar ainda em campanha eleitoral, portanto, não vou dizer?, respondeu. ?Mas acho que minhas preferências já são conhecidas.?No sábado, mesmo o canal de televisão mais independente, NTV, mostrou apenas líderes políticos da situação votando, incluindo o Ministro de Situações de Emergância, Sergei Shoigu, o ministro do Interior Boris Gryzlov, o presidente da Duma, Gennady Seleznyov, e o presidente do Senado, Sergei Mironov.Na maior parte do país, as eleições não provocam grande entusiasmo entre os eleitores. No extremo leste, onde os distritos eleitorais foram os primeiros a fechar, o comparecimento ficou em torno de 32,88% na região de Primorsky, perto do Pacífico, e de 56,51% na região autônoma de Koryak.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.