Eleições terminam em Angola um dia após o previsto

Postos tiveram que reabrir para os eleitores que não conseguiram votar na sexta-feira, 5

Efe

06 de setembro de 2008 | 17h02

As primeiras eleições legislativas realizadas em Angola em 16 anos só terminaram neste sábado, 6, pois 320 colégios eleitorais de Luanda tiveram que reabrir para os eleitores que não conseguiram votar na sexta-feira, 5, devido à desorganização do pleito.   Veja também: Líder da oposição em Angola pede novas eleições Atrasos marcam eleição em Angola   Os centros de votação reabriram às 7h (3h de Brasília) e estava previsto que funcionariam, assim como ontem, até as 19h. A Agência Efe pôde constatar, no entanto, que por volta das 17h, a maioria já tinha encerrado suas operações, porque, segundo os responsáveis, os eleitores já tinham votado.   Luanda e a província de mesmo nome acolhem mais de 20% dos 8,3 milhões de angolanos registrados no censo eleitoral para este pleito, e a votação foi retomada depois que vários partidos da oposição denunciaram a desorganização de sexta-feira na capital.   O presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), Caetano de Sousa, anunciou ontem à noite em coletiva de imprensa que as eleições continuariam hoje em Luanda e admitiu que houve "falhas e transtornos" na organização do pleito e que a maioria dos colégios eleitorais do país se atrasaram mais de uma hora e meia para começar a funcionar.   Segundo a chefe da missão de observação eleitoral da União Européia e vice-presidente do Parlamento Europeu, a italiana Luiza Morgantini, houve "confusão" em áreas da capital e a situação em um centro de votação onde ela esteve no começo da manhã não estava nada organizado.   Os opositores União Nacional para a Independência Total de Angola (Unita), Partido de Renovação Social (PRS), Partido Democrático para o Progresso e Aliança Nacional Angolana (PDP/ANA) e Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) solicitaram ontem mesmo a anulação da votação em Luanda.   As legendas de oposição exigiram um novo pleito dentro de oito dias.   Um total de 2.254 centros de votação deviam ter sido abertos na sexta-feira em Luanda, mas só 1.934 funcionaram, embora também com problemas, como erros nas listas de eleitores e a falta de cédulas, urnas e outros materiais necessários para realizar as eleições.

Tudo o que sabemos sobre:
AngolaeleiçõesÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.