Washington Post / Ricky Carioti
Washington Post / Ricky Carioti

Eleitor americano obtém vitória nas redes sociais

Tribunal proíbe política de bloquear cidadãos no Facebook

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2019 | 20h33

WASHINGTON - Phyllis Randall, funcionária pública eleita na Virgínia, violou a Primeira Emenda da Constituição americana ao bloquear um eleitor no Facebook. Essa foi a decisão de uma corte de apelação, que concluiu que é inconstitucional que representantes bloqueiem eleitores nas redes sociais. A decisão pode afetar um recurso apresentado pelo presidente Donald Trump contra um parecer similar em um tribunal em Nova York.

Por 3 a 0, a corte de apelação entendeu que Randall, presidente do Conselho de Supervisores do Condado de Loudoun, violou a liberdade de expressão prevista pela Primeira Emenda por ter proibido o eleitor Brian Davison de acessar sua página oficial.

No caso de Trump, ele enfrenta uma ação similar por bloquear críticos em seu perfil @realDonaldTrump no Twitter, que possui milhões de seguidores. Os dois funcionários públicos, em processos separados, alegam que suas contas privadas em plataformas digitais são pessoais e podem restringir quem eles quiserem. 

No entanto, o juiz de apelação James Wynn rejeitou o argumento. Para ele, o “componente interativo” consiste em um fórum público e Randall violou a lei ao discriminar uma opinião. Randall não respondeu aos pedidos de entrevista após a sentença.

O bloqueio ocorreu depois que Davison compareceu a uma reunião na prefeitura e, em seguida, em sua página no Facebook, acusou membros do conselho escolar e seus parentes de serem corruptos e de terem conflitos de interesse. Além de banir o cidadão, Randall apagou uma de suas publicações e todos os seus comentários.

“A liberdade de expressão do cidadão Brian Davison está no centro da proteção provida pela Primeira Emenda”, escreveu Wynn. A decisão da corte de apelação manteve o entendimento do juiz de primeira instância, James Cacheris.

Davison, ativista comunitário, espera que a decisão dê a outros a “influência de proteger sua opinião” e envie uma mensagem aos funcionários públicos eleitos que continuam a bloquear eleitores nas redes sociais. A Suprema Corte dos EUA ainda não se posicionou diretamente sobre a questão, mas reconheceu, em outros casos, a crescente importância das mídias sociais no debate público. / REUTERS  e W.POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.