Associated Press
Associated Press

Eleitor é mutilado pelo Taleban no Afeganistão

Insurgentes haviam avisado que civis sofreriam consequencias se saíssem para votar

Associated Press,

31 de agosto de 2009 | 12h27

Um cidadão afegão afirmou neta segunda-feira, 31, que militantes do Taleban cortaram seu nariz e suas duas orelhas enquanto ele tentava votar nas eleições que ocorreram no último dia 20.

 

Veja também:

link Gordon Brown faz visita surpresa ao Afeganistão

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

lista Perfil: Hamid Karzai é favorito à reeleição no Afeganistão

lista Perfis: Ex-ministros são os principais rivais de Karzai

video TV Estadão: Correspondente do 'Estado' vai ao local de atentado no Afeganistão

mais imagens Fotos: Galeria de imagens do clima eleitoral 

 

Lal Mohammad disse que seguia para a seção eleitoral no centro do Afeganistão, quando membros do Taleban encontraram seu cartão de identificação eleitoral. Ele disse que foi então mutilado e agredido até ficar inconsciente. "Me arrependo de ter ido votar", disse Mohammad a jornalistas em um hospital de Cabul enquanto chorava e tentava esconder seu rosto. "O que votar vai trazer de bom para mim?", se perguntou indignado.

 

O caso foi o terceiro ataque de mutilação feito pelo Taleban a pessoas que saíram para votar. Os militantes haviam avisado os afegãos para ficarem longe dos colégios eleitorais no dia da votação.

 

O ataque a Mohammad ocorreu em uma comunidade rural de Daykundi, uma região montanhosa no centro do Afeganistão. Por conta das instalações hospitalares limitadas nessa área, a vítima fez uma longa viagem até Cabul para o tratamento.

 

Isurgentes também cortaram o dedo indicador de dois afegãos depois de votarem no sul do país, segundo Nader Nadery, líder da Fundação Eleições Justas e Livres no Afeganistão. Os eleitores deveriam mergulhar seus dedos em uma tinta roxa para reconhecer que já haviam votado. Antes da votação, rumores de que o Taleban cortaria dedos pintados se espalharam pelo país.

 

Um porta-voz da milícia afirmou que os insurgentes não fariam tais ataques, mas o movimento é formado por vários grupos contrários ao governo e carece de normas de conduta. Pelo menos 26 civis e autoridades de segurança morreram em dezenas de ataques no dia da votação, desencorajando muitos eleitores a sair de casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.