Eleitores processam político republicano

Moradores de New Jersey denunciam governador de New Jersey, Chris Christie, acusado de bloquear trânsito para prejudicar rival

NEWARK, EUA, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2014 | 02h03

Uma comissão da Assembleia Legislativa de New Jersey revelou ontem 907 documentos relacionados ao escândalo envolvendo o governador Chris Christie. Os textos mostram conversas entre autoridades da administração de Christie e até a irritação do governador de Nova York, Andrew Cuomo, com a confusão no trânsito.A comissão investiga o caso.

O escândalo veio à tona na quarta-feira, quando uma troca de e-mails entre assessores de alto escalão de Christie expôs uma ação entre eles para fechar quatro linhas da Ponte George Washington, em Fort Lee, em setembro, provocando um caos no trânsito. O pedido de desculpas de Christie, o mais forte nome do Partido Republicano para as presidenciais de 2016, segundo pesquisas, não foi suficiente e o caso ganhou força. Ontem, seis moradores do Estado apresentaram uma denúncia contra o governador. Eles alegaram ter tido prejuízos por ficarem presos no trânsito.

O escândalo é o primeiro a afetar a imagem de Christie, o carismático e falante governador reeleito no ano passado em um dos mais "azuis" dos Estados americanos (que votam no Partido Democrata nas presidenciais). Apesar da vitória, os assessores de Christie queriam se vingar do prefeito de Fort Lee, Mark Sokolich, por ele não ter endossado a candidatura do governador. A equipe foi demitida.

Além dos adversários, colegas de partido não pouparam Christie de críticas ou comentários irônicos nos últimos dias. "Se acharem algum e-mail que o ligue ao caso, ele já está frito, não está?", disse o senador republicano Bob Corker, à rede de TV NBC. "Sei o quão irritado eu fico quando estou no trânsito. Sempre me pergunto quem é que está fazendo aquilo comigo", afirmou outro senador, Rand Paul, ao site The Hill.

Christie é um representante da ala moderada do partido opositor, que procura amenizar o discurso para conquistar um público quase sempre leal aos democratas, composto principalmente pelas minorias. Pesquisas recentes apontam que ele seria um forte concorrente para disputar as presidenciais com a provável candidata do partido governista, Hillary Clinton.

Um deslize do favorito, explicou ao Estado o professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Iowa Tim Hagle, poderia representar uma chance para nomes que estão hoje em segundo plano, como o senador da Flórida Marco Rubio e o ex-governador do mesmo Estado Jeb Bush.

O apoio de Christie, porém, não migraria necessariamente para perfis semelhantes ao seu. "Conservadores poderiam se beneficiar mais, como no caso do governador do Wisconsin, Scott Walker", disse Hagle, veterano no processo de primárias republicanas. "Os eleitores poderão começar a pensar em alternativas conservadoras."

O analista pondera, entretanto, que ainda é cedo para saber se o escândalo minou as chances do governador. Até o início das primárias, com o caucus de Iowa em janeiro de 2016, lembrou, muita coisa pode acontecer. / AFP e REUTERS COLABOROU RENATA TRANCHES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.