, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2010 | 00h00

A população sudanesa foi às urnas ontem na primeira eleição multipartidária em 24 anos no país. A votação, porém, foi marcada por irregularidades, erros e atrasos. Segundo integrantes do Movimento Popular de Libertação do Sudão, formado por ex-rebeldes, algumas cédulas desapareceram. O grupo chegou a pedir que a votação, prevista para terminar amanhã, seja prolongada em quatro dias. A Comissão Eleitoral admitiu alguns erros de logística, mas afirmou que todo o processo - no qual serão eleitos representantes legislativos e regionais, além do presidente - corria "bem". Omar al-Bashir, sobre quem pesa uma ordem de captura internacional, é o candidato favorito. É a primeira vez ele que participa de uma votação multipartidária desde que tomou o poder em 1989, por meio de um golpe de Estado militar apoiado por islamitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.