Elián está bem ajustado em Cuba, diz o pai

O menino Elián González ajustou-se bem à sua vida em Cuba e não parece sofrer conseqüências prejudiciais de sua captura por agentes armados do governo dos Estados Unidos na casa de seus familiares em Havana, disse seu pai a uma rede de tevê norte-americana. Segundo Juan Miguel González, seu filho tem medo apenas das câmeras de tevê.Em uma reportagem da rede NBC, transmitida na véspera do aniversário de seu retorno a Cuba, Elián aparece brincando, feliz, com seus colegas de segunda série na escola da cidade de Cárdenas.Elián não foi entrevistado para a reportagem. Mas seu pai, que é camareiro em um hotel para turistas estrangeiros situado a duas horas de Havana, disse à NBC que seu filho não guarda mágoas de seus parentes de Miami, que tentaram obter sua tutela legal depois que sua mãe morreu afogada numa tentativa de cruzar o Estreito da Flórida para chegar aos Estados Unidos.González disse sentir-se bem e contou que sua família está muito feliz, segundo a NBC. Após um ano, sua vida voltou à normalidade. Ele também comentou que Elián não parece afetado pelos dias que passou no mar depois que o barco que levava ele, sua mãe e outros balseiros naufragou.O pai contou que Elián vai à praia e brinca na água normalmente, mencionando às vezes sua mãe. Mas disse que o garoto ainda não precisou da ajuda de um psicólogo.O porta-voz da família, Armando Gutiérrez, disse que o aniversário, amanhã, de um ano do retorno do menino, será um dia triste para todos os seus parentes de Miami.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.