Elite iraquiana sofre em Amã

Milhares de iraquianos que escolheram mudar-se para a Jordânia estão enfrentando dificuldades financeiras ainda piores do que enfrentavam no Iraque após a queda de Saddam Hussein. Por não ter visto de residência, a maioria dos refugiados não pode trabalhar no país. Boa parte, composta de médicos, engenheiros e professores universitários, integrava a elite iraquiana. Como tinham boa situação financeira no Iraque, acreditavam que o dinheiro duraria na Jordânia. No entanto, uma pesquisa mostrou que 64 entre 100 famílias iraquianas estão sendo obrigadas a vender seus bens para sobreviver. Para tentar administrar a crise, o governo jordaniano deu autorização para crianças iraquianas freqüentarem escolas públicas do país. Estima-se que 750 mil iraquianos tenham fugido para a Jordânia desde a invasão americana, em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.