Luis Robayo/AFP
Luis Robayo/AFP

ELN anuncia cessar-fogo para facilitar votação em plebiscito sobre paz

Grupo guerrilheiro diz que também apoia o estabelecimento da paz

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2016 | 21h54

BOGOTÁ - O Exército de Libertação Nacional (ELN) anunciou neste domingo que vai interromper as ações ofensivas, para facilitar a participação dos colombianos no plebiscito popular que decidirá sobre o acordo de paz do governo do país com as Farc.

"Para acabar com as dúvidas de que nós seremos um obstáculos no processo, nossa disposição é de que não haja ações ofensivas da ELN nesses dias", afirmou Pablo Beltrán, integrante do comando central da guerrilha, em entrevista à radio clandestina "Pátria Livre".

Posteriormente, no Twitter, Beltrán explicou que a medida adotada será a de interrupção de qualquer ação "não defensiva". O grupo responde assim a um pedido feito pela ONG colombiano Missão de Observação Eleitoral, para que declarassem um cessar-fogo.

Sobre o acordo que será assinado amanhã, em Cartagena das Índias, Belgrán afirmou que, embora sejam críticos ao processo de paz, não serão "obstáculo" para governo e também para as Farc, e garantiu que também avaliam o estabelecimento da paz.

"Vamos na nossa própria direção, mas pelo mesmo caminho", afirmou.

Após quase quatro anos de negociação, governo e Farc assinarão amanhã o acordo. A ELN, por sua vez, anunciou em 30 de março deste ano o início de conversas com as autoridades, embora o diálogo esteja condicionado a resolução de alguns "temas humanitários.

"Estamos completando seis meses de paralisação, porque o governo inventou uma etapa entre a fase confidencial e a pública, e, de várias maneiras, tentou modificar os acordos", explicou Beltrán. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.