EFE/HUGO PENSO
EFE/HUGO PENSO

ELN assume autoria de atentado a bomba que matou 5 policiais em Barranquilla

Em um comunicado cuja autenticidade ainda não pôde ser comprovada, grupo diz que cometeu o ataque porque o governo ‘se recusa a dar respostas às necessidades da população, inventa desculpas para não garantir seus direitos e usa a polícia para reprimir o povo’

O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2018 | 20h49

BOGOTÁ - A Frente de Guerra Urbana do Exército de Libertação Nacional (ELN) reivindicou neste domingo, 28, a autoria do atentado com explosivos contra uma delegacia da cidade colombiana de Barranquilla, que deixou cinco policiais mortos e 41 feridos.

+ Colômbia suspende negociações com ELN após ataques da guerrilha

"O ELN, em exercício legítimo do direito à rebelião, realizou a seguinte ação militar (...) foram atacadas forças policiais da estação San José, no sul de Barranquilla", detalhou o grupo em um comunicado cuja autenticidade ainda não pôde ser comprovada.

+ Conflito entre ELN e dissidentes das Farc deixa 13 mortos na Colômbia

O grupo acrescentou que cometeu o atentado, que despertou rejeição e grande comoção no país, porque considera que o governo "se recusa a dar respostas às necessidades da população, inventa desculpas para não garantir seus direitos e usa a polícia para reprimir o povo".

"Como ELN, persistimos com a mesma determinação na solução política ao conflito social e armado em que vive o povo colombiano, em um diálogo de paz que atenda às vozes dos mais necessitados e excluídos", acrescenta a mensagem.

O governo e o ELN iniciaram em 2017 diálogos de paz em Quito, mas as conversas estão suspensas desde o dia 10 de janeiro em razão de uma onda terrorista da guerrilha após o fim de um cessar-fogo bilateral que ficou vigente durante 100 dias.

Pelo atentado em Barranquilla, foi detido um homem de 31 anos, identificado como Cristian Camilo Bellón Galindo, oriundo de Bogotá, apontado pelas autoridades como autor do ataque.

Segundo declarou no sábado o procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, Galindo responderá por cinco homicídios agravados e 42 tentativas de assassinato, terrorismo agravado e uso de explosivos.

Outros dois atentados foram realizados neste domingo no norte da Colômbia. O primeiro ocorreu às 4h (7h em Brasília) no município de Soledad, na região metropolitana de Barranquilla, quando desconhecidos atacaram com explosivos um Comando de Ação Imediata (CAI), deixando quatro policiais e um morador de rua feridos.

O outro foi cometido contra o posto de Polícia da Corregedoria de Buenavista, no município de Santa Rosa, no Departamento de Bolívar. Dois policiais morreram e outros dois ficaram feridos. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.