ELN intensifica ação terrorista na Colômbia

O risco de sequestro e atentados é crescente na Colômbia - e, desta vez, a ameaça não vem dos guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), mas do Exército de Libertação Nacional (ELN), o segundo movimento de insurgência armada do país. Nota da agência de risco Exclusive Analysis divulgada ontem, em Londres, alerta para um perigo maior em quatro departamentos (Estados): Norte de Santander, Arauca, Nariño e Chocó.

ROBERTO GODOY, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2012 | 03h05

Segundo o diretor da divisão de América Latina, Carlos Caicedo, a ofensiva do grupo rebelde é uma resposta ao fato de o presidente Juan Manuel Santos não ter incluído o ELN na negociação de paz que começa dia 8, em Oslo, com os líderes das Farc. "O pequeno Exército de Libertação Nacional exige, da forma como pode, a sua participação", disse.

O ELN é menor que as Farc. O contingente total é estimado em 2,5 mil rebeldes, entre guerrilheiros e os militantes urbanos, mantidos fora do campo de luta. Já os quadros das Farc são estimados entre 9,5 mil e 15 mil homens.

A Exclusive Analysis reporta 150 ataques apenas do ELN contra a indústria do petróleo. O oleoduto Bicentenário é o alvo principal. Em fevereiro, a guerrilha sequestrou 11 funcionários que trabalhavam no vilarejo de Tame. Em junho, capturaram 120 técnicos da obra e incendiaram os dois ônibus que os transportavam.

Em julho, invadiram a mina de ouro de Concarivana, em Montecristo. Os trabalhadores tiveram poucos minutos para deixar o local. O núcleo de informática e as instalações elétricas foram dinamitados. "O risco do terrorismo, mesmo que haja acordo entre governo e Farc, não estará completamente afastado na Colômbia", acredita Caicedo. Para ele, "embora os sequestros sejam a principal fonte de recursos do ELN, cresce o envolvimento do grupo com o tráfico de drogas".

O recrudescimento das operações guerrilheiras preocupa o governo do Peru. O violento Sendero Luminoso está ativo e é letal. Desde abril, mat0u 9 agentes da repressão policial além de manter como reféns cerca de 36 funcionários de um campo de extração de gás natural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.