Elogio de Bibi a Fidel irrita EUA

Premiê israelense pede desculpas a senadora americana anticastrista por afagos a cubano

, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin "Bibi" Netanyahu, viu-se obrigado a pedir desculpas aos EUA por ter elogiado o líder cubano Fidel Castro. O afago a Fidel havia sido feito em setembro, quando o cubano disse à revista americana The Atlantic que o "povo judeu é o povo mais sofrido do mundo" e criticou o líder iraniano Mahmoud Ahmadinejad por negar o Holocausto.

Feito há duas semanas, o pedido de desculpas de Bibi tinha destino certo: a senadora republicana do Estado da Flórida, Ileana Ros-Lehtinen, uma das principais representantes do lobby anticastrista no Congresso. Ileana, que chefiará o Comissão de Relações Exteriores do Senado a partir de janeiro, havia se queixado dos comentários de Bibi a instituições pró-Israel dos EUA.

Contente com as declarações de Fidel à revista, Netanyahu dissera que o comentário demonstrava "profundo conhecimento sobre a história do povo judeu e do Estado de Israel".Na entrevista, Fidel não descartou a possibilidade de "em algum momento" estabelecer relações com o governo israelense.

Eleita ao Congresso em 1989, a senadora, nascida em Havana, foi relatora da várias medidas contra Cuba. Ileana chegou a defender o assassinato de Fidel e, no auge da crise em Honduras, no ano passado, encontrou-se com o presidente de facto Roberto Micheletti.

Os comentários de Fidel fizeram o presidente de Israel, Shimon Peres, escrever uma carta ao líder cubano, na qual dizia ter ficado "muito emocionado" com a entrevista. "Devo confessar que sua observação foi, na minha opinião, inesperada, com uma profundidade intelectual extraordinária", disse Peres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.