Em 2 semanas, violência mata 140 em cidade do Iêmen

Segundo autoridade militar, pelo menos 80 membros das forças de segurança foram mortos

Agência Estado

13 de junho de 2011 | 09h30

ÁDEN - Pelo menos 140 pessoas foram mortas em duas semanas de confrontos entre forças de segurança do Iêmen e supostos homens armados da Al-Qaeda na cidade de Zinjibar, no sul do país, informou nesta segunda-feira, 13, uma autoridade militar. "Pelo menos 80 agentes de segurança, incluindo soldados, foram mortos e mais de 200 ficaram feridos em confrontos com militantes da Al-Qaeda desde que Zinjibar caiu sob o domínio da rede (Al-Qaeda)", no fim de maio, disse a fonte. "Mais de 60 militantes da Al-Qaeda, entre eles líderes locais, também foram mortos e pelo menos 90 ficaram feridos."

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

Homens armados tomaram o controle da maior parte de Zinjibar no fim do mês passado. Fontes do setor de segurança dizem que eles são membros da Al-Qaeda, porém a oposição política acusa o governo do presidente Ali Abdullah Saleh de inventar uma ameaça extremista para escapar da pressão de nações do Ocidente por mais democracia no país. Saleh comanda o Iêmen há mais de três décadas.

Segundo fontes militares, membros da Al-Qaeda tomaram uma base do Exército em Zinjibar, capital da província de Abyan. Quase quatro mil soldados permanecem nessa base. O Iêmen é palco de atuação da Al-Qaeda na Península Arábica, uma afiliada da rede militante. Esse grupo é culpado por planos contra os Estados Unidos, incluindo uma tentativa de explodir um avião que ia para os EUA, no dia do Natal de 2009. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenviolênciamortesZinjibar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.