Em 20 minutos, China resgata 1.200 em trem acidentado

Inundações destruíram as estruturas de uma ponte na província de Sichuan, no sudoeste do país

Efe

20 de agosto de 2010 | 05h02

PEQUIM - Pelo menos 1.300 pessoas foram resgatadas em vinte minutos de um trem, depois que as inundações destruíram uma ponte que deixou pendurados durante meia hora dois de seus vagões na província de Sichuan (sudoeste da China), informou nesta sexta-feira, 20, o jornal Xin Beijing.

O acidente, que não causou mortes, aconteceu às 15h15 desta quinta-feira (horário local, 4h15 em Brasília), perto da localidade de Guangshan, quando as cheias em um rio local destruíram dois pilares da ponte.

A imprensa informou sobre o acidente ainda na quinta-feira, mas ainda não se sabia quantas pessoas estavam no interior do trem, ou se havia vítimas mortais.

O trem se dirigia da cidade de Xian, capital da província central chinesa de Shaanxi, à de Kunming, principal localidade da província sudoeste de Yunnan.

Segundo a imprensa, operários que trabalhavam na zona foram testemunhas do acidente e iniciaram imediatamente o resgate.

Um grupo de oito pessoas quebrou as janelas de dois dos vagões do trem com suas ferramentas, salvando 400 viajantes, enquanto os 900 demais saíram pelos vagões anteriores do trem e atravessaram a ponte antes que ela ficasse destruída.

Dez minutos após o fim do resgate, os pilares da ponte cederam e os vagões caíram na água.

Desde sábado passado as inundações mataram 15 pessoas, enquanto muitas outras seguem desaparecidas na localidade de Wenchuan, também em Sichuan, zona que foi epicentro do terremoto de maio de 2008, com mais de 87 mil vítimas.

O país asiático vive sua pior temporada de inundações há 12 anos, com mais de 3.400 mortos e desaparecidos desde maio.

Os danos e o número de vítimas são comparáveis aos causados pelas crescidas dos rios Yang Tsé e Songhua em 1998, que ocasionaram mais de 4 mil mortes e deixaram 140 milhões de deslocados, nas piores inundações das últimas décadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.