Em 2014, 60 jornalistas morreram no trabalho em todo o mundo

Em 2014, pelo menos 60 jornalistas foram mortos no exercício da profissão em todo o mundo, informa o Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ). Deste total, 44% tiveram a morte encomendada e 25% não estavam em seu país natal.

MÁRIO BRAGA, Estadão Conteúdo

24 de dezembro de 2014 | 03h45

Segundo o relatório do CPJ, o número deste ano foi inferior ao de 2013, quando o número de jornalistas mortos chegou a 70. No entanto, os últimos três anos foram os mais perigosos para profissionais da área desde que a instituição começou a compilar esse tipo de informação, em 1992.

O conflitos na Síria, que chegou ao quarto ano, foi apontado como a principal causa de morte de jornalistas em serviço. No país, extremistas do Estado Islâmico decapitaram dois profissionais da imprensa neste ano. Outros fatores apontados são o enfrentamento entre militares e separatistas no leste da Ucrânia e entre palestinos e israelenses na Faixa de Gaza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.