Em ação militar, 70 supostos taleban morrem no Afeganistão

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e tropas afegãs anunciaram neste domingo a morte de 70 supostos militantes taleban que atacaram uma base militar no sul do Afeganistão, enquanto, em outra ação, a explosão de uma bomba provocou a morte de um soldado da Otan e ferimentos em outros oito. Três civis ficaram feridos.De acordo com o porta voz da Otan, o major Luke Knittig, entre 100 e 150 militantes atacaram no sábado a base localizada em Tarin Kowt, na província de Uruzgan. Para responder ao ataque, foram usados helicópteros, armas e aviões.O confronto ocorreu no momento em que a Otan e as forças afegãs trabalham juntas em uma nova ofensiva, nomeada Operação Águia, com o objetivo de evitar que o Taleban retome poder nos próximos meses de outono e inverno, quando a região enfrentará baixas temperaturas e o isolamento. Afastando os militantes taleban, a Otan planeja levar segurança ao sul do país, com o objetivo de desenvolver a região, uma promessa feita há cinco anos quando o país foi invadido pelos EUA.As mortes acontecem um dia depois da Human Rights Watch (HWR), uma organização de direitos humanos, ter feito críticas à Otan e às forças afegãs por suas táticas, que têm causado a morte de muitos civis, jogando a população contra a aliança ocidental. O general da Otan, James L. Jones, se desculpou no sábado pelas recentes mortes de civis no sul do Afeganistão durante a luta entre militantes do Taleban e forças da Otan, mas acusou a milícia de usar civis como escudo humano. A HWR também criticou a milícia Taleban por colocar a vida de civis em risco. Entre 30 e 80 civis, incluindo mulheres e crianças, morreram durante ações militares no distrito de Panjwayi, no sul da província de Kandahar, em 24 de outubro. A Otan, no entanto, confirma a morte de 12 civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.