Em aniversário de protestos, Turquia vive clima tenso

O governo da Turquia montou um forte esquema de segurança em Istambul neste sábado, em preparação para o primeiro aniversário dos protestos populares que desestabilizaram o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan. O líder alertou que a polícia vai reprimir qualquer um que tente desafiar a proibição de manifestações na Praça Taksim.

AE, Agência Estado

31 Maio 2014 | 14h13

"Se vocês forem lá, nossas forças de segurança receberam claras instruções e vão fazer o que for necessário, de A a Z. Vocês não poderão invadir a Praça Taksim como fizeram no ano passado, porque são obrigados a obedecer as leis. Se vocês não obedecerem, o Estado vai fazer o que for necessário para manter a segurança", alertou Erdogan.

O que começou no ano passado como um pequeno movimento para salvar o Parque Gezi, em Istambul, acabou se transformando em grandes protestos contra o autoritarismo do governo Erdogan, que chegaram a reunir mais de 3 milhões de pessoas. Oito morreram e milhares ficaram feridos em função da forte repressão policial.

Apesar da proibição dos protestos neste sábado na Praça Taskim, ativistas estão convocando manifestações. "O governo mantém uma atmosfera tensa que encoraja a violência policial. Mesmo assim, nós estaremos nas ruas", comentou Mucella Yapici, fundadora do grupo ativista Taksim Solidarity.

Quase 25 mil policiais estão de prontidão na cidade, incluindo centenas em roupas de civis, além de dezenas de caminhões com canhões de água e veículos blindados. "Algumas pessoas, incluindo os chamados ''artistas'', estão convocando protestos. Essas organizações terroristas manipularam nossa juventude moral e financeiramente fraca, para atacar nossa unidade e colocar nossa economia sob ameaça", disse Erdogan neste sábado. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Turquia protestos tensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.