Em atrito com Chávez, Calderón não quer ofensa pessoal

O presidente mexicano, Felipe Calderón, disse na segunda-feira que os governos latino-americanos devem buscar estreitar relações sem desqualificações pessoais, numa aparente alusão ao venezuelano Hugo Chávez, com quem Calderón vem discutindo desde a semana passada.Chávez exigiu no domingo respeito por parte de Calderón, que criticou no Fórum Econômico Mundial de Davos as "economias do passado", nas quais "ações do Estado afetam os investimentos, como na Argentina, Bolívia, Venezuela e outros".Chávez disse que Calderón é um "cavalheirozinho" que segue os mesmos passos de seu antecessor, Vicente Fox, com quem o venezuelano também teve sérios atritos."É indispensável que os governos sejamos capazes de expressar nossas coincidências e diferenças de uma forma madura e respeitosa, e analisar juntos as alternativas para nossos povos sem incorrer em desqualificações pessoais", disse Calderón na segunda-feira a jornalistas durante visita a Londres, sem citar Chávez.No ano passado, quando era candidato a presidente, Calderón se apresentava como um contraponto às políticas esquerdistas de Chávez.As relações entre México e Venezuela se deterioraram no final de 2005, quando Chávez chamou Fox de "filhote do império" por buscar um acordo de livre-comércio com os Estados Unidos.Os dois governos retiraram mutuamente seus embaixadores, que até agora não foram devolvidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.