Dalati Nohra/Handout via REUTERS
Dalati Nohra/Handout via REUTERS

Em Beirute, Macron fala em organizar 'ajuda internacional' ao Líbano

Presidente francês foi recebido pelo seu par libanês, Michel Aoun, e acompanhou buscas por sobreviventes na região portuária

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2020 | 09h28

BEIRUTE - O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta quinta-feira, 6, que quer "organizar a ajuda internacional" ao Líbano. Macron viajou até a capital do país, Beirute, para prestar solidariedade e acompanhar trabalhos de buscas por sobreviventes nos escombros das explosões, que mataram pelo menos 137 pessoas.

"Ajudaremos a organizar, nos próximos dias, apoios adicionais a nível francês e europeu", disse o presidente. E completou: "Quero organizar a cooperação europeia e, de maneira mais ampla, a cooperação internacional".

Macron foi recebido no aeroporto da capital libanesa pelo presidente Michel Aoun. Antes da chegada do chefe de Estado europeu, a França já havia enviado socorristas, equipes de buscas e medicamentos à Beirute.

Para Entender

Explosão em Beirute: o que se sabe e o que falta saber

Governo diz que curto-circuito causou incêndio e explosão que deixaram 100 mortos e 4 mil feridos

A visita do presidente francês à capital do Líbano deve durar apenas um dia. Além dos termos de cooperação, Macron também deve apresentar um pedido aos principais líderes do país pedindo que conduzam reformas exigidas pela comunidade internacional.

"Hoje, a prioridade é a ajuda, o apoio incondicional à população. Mas há reformas indispensáveis em certos setores que a França exige há meses, há anos", disse.

O Líbano enfrenta uma profunda crise econômica, com uma inédita desvalorização de sua moeda, hiperinflação, demissões em massa e drásticas restrições bancárias. Além disso, o país vive um momento de turbulência política, que resultou na queda do ex-presidente do país Said Hariri no ano passado, e foi agravado com a pandemia do novo coronavírus./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.