AFP / Adam BERRY
AFP / Adam BERRY

Em Berlim, minicasas para abrigar refugiados

Projeto reúne arquitetos e imigrantes, que testam novos modelos de alojamento

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2017 | 20h55

Em um dia de inverno de 2015, um arquiteto viu uma fila quilométrica diante de um centro social para solicitantes de asilo em Berlim. “Fui buscar minha serra e recolhi pedaços de madeira que encontrei nas ruas e os levei para onde estavam as pessoas e, com alguns refugiados, começamos a construir uma minicasa”, lembra à France Presse Van Bo Le-Mentzel, um arquiteto berlinense de 40 anos.

Em pouco tempo, a casa piloto de pequenas dimensões tomou forma. Serviu para alojar as crianças quando fazia mau tempo e para descansar durante as esperas intermináveis diante do centro criado em 2015, quando a Alemanha recebeu 890 mil refugiados.

Essa casa improvisada serviu de base para um projeto denominado “A Universidade da Minicasa”, que agrupa arquitetos, projetistas e imigrantes, para testar novos modos de alojamento para os refugiados, trabalhadores pobres ou pessoas necessitadas de forma geral. “Tentamos criar novos tipos de alojamento para os que não têm terreno nem dinheiro”, explica Le-Mentzel, que criou em 2010 uma série de móveis baratos fabricados com material reciclado.

A equipe da Universidade da Minicasa, que conta com seis refugiados, trabalha atualmente com o Museu Bauhaus, de Berlim, na construção de 20 minicasas de 10 m² cada uma. Algumas servirão de alojamento, outras de livrarias, de cafeteria ou de oficina e formarão parte de uma “aldeia temporária”, que o museu pretende expor até março de 2018. 

As minicasas serão montadas sobre rodas e permanecerão em um estacionamento. “Em Berlim, há 1,5 milhão de carros estacionados pela noite sem serem usados e cada uma dessas vagas mede cerca de 10 m², ou seja, a superfície de uma minicasa”, disse Le-Mentzel. “O que aconteceria se substituíssemos estes 1,5 milhão de carros por minicasas nas quais os refugiados poderiam viver?”, questiona o arquiteto. 

Segundo Van Bo Le-Mentzel, sua Tiny100 – nome de sua primeira versão – constitui o princípio de uma solução diante da crise de moradia: é fabricada em parte com material reciclado e poderia ser alugada por 100 euros mensais. Como em muitas cidades do mundo, Berlim sofreu uma alta no preço dos imóveis nos últimos anos, o que complicou o acesso à moradia para muitas pessoas. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Berlim [Alemanha] Alemanha arquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.