AFP/Spencer Platt
AFP/Spencer Platt

Em Boston, manifestação 'apartidária' pede liberdade de expressão e proíbe presença da esquerda

O "Boston Free Speech Rally" é planejado desde meados de junho, mas ganhou projeção nacional após os atos da extrema-direita na semana passada na Virginia

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2017 | 13h50

BOSTON - Manifestantes se reúnem na manhã deste sábado em Boston em um ato pela liberdade de expressão, em meio a um rígido esquema de segurança policial para evitar que ocorra algo semelhante aos violentos confrontos de Charlottesville, na Virginia.

A polícia concedeu licença para o "Boston Free Speech Rally" (Ato pela liberdade de expressão de Boston, em tradução livre), mas disse estar preparada para interromper a manifestação caso seja necessário.

A polícia proibiu armas, objetos afiados, escudos, latas e recipientes de vidro no protesto. Eles também não permitiram varas para segurar bandeiras, em um esforço para manter a ordem entre todos os participantes. Houve também reforço de segurança, em face dos acontecimentos desta semana em Barcelona.

O "Boston Free Speech Rally" é planejado desde meados de junho, mas ganhou projeção nacional após os atos da extrema-direita na semana passada na Virginia, no qual uma pessoa morreu e mais de 30 ficaram feridas.

"Nós vamos respeitar o direito de liberdade de expressão", disse na sexta-feira o prefeito de Boston, o democrata Martin Walsh. "Em troca eles devem respeitar a nossa cidade."

Os organizadores dizem que não tem filiação política, mas no logotipo da página do Facebook do protesto se lê "Esquadrão de Segurança da Direita" e há um aviso que diz que o ato não será interrompido por nenhuma "organização de esquerda radical". Porém, o grupo que está por trás da manifestação rejeita a associação com grupos radicais e diz que "não oferece qualquer apoio ao racismo ou ao fanatismo".

Ao mesmo tempo em que ocorre a manifestação pela "liberdade de expressão", um outro grupo faz um ato em outro ponto da cidade cantando "escória nazista, fora de nossas ruas".

Uma pequena confusão teve início entre os dois grupos, mas foi contida pelas forças de segurança. /Dow Jones Newswires

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.