Eric Thayer/The New York Times
Eric Thayer/The New York Times

Em campanha na Flórida, Trump volta a contestar pesquisas que mostram Hillary na frente

Candidato republicano tenta último esforço para vencer em Estado-chave para a eleição presidência

O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2016 | 17h52

WASHINGTON - Após o último debate presidencial, na quarta-feira 19, a candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, abriu grande vantagem nas pesquisas nacionais, inclusive entre a comunidade latina do país. Segundo dados da Associação Nacional de Funcionários Eleitos e Designados (Naleo) e a emissora Telemundo, Hillary está 59 pontos percentuais à frente do republicano Donald Trump, com 74% das intenções de voto a 15% do magnata. 

Outra pesquisa, feita pela emissora de TV ABC News e divulgada no domingo 23, mostra Hillary com uma vantagem de 12 pontos. Trump afirma que as pesquisas estão erradas e os meios de comunicação fazem parte de um plano para fraudar as eleições, mas continua acreditando na vitória. "Vamos ganhar na Flórida em grande estilo", disse o magnata durante uma mesa-redonda com agricultores em Boynton Beach, na Flórida, nesta segunda-feira, 24.

Na pesquisa da Naleo, divulgada nesta segunda, 250 latinos registrados para votar foram entrevistados e 14% deles já votaram por correio ou de outras formas antecipadas. Outros 28% afirmaram que também votarão antes do dia da eleição, 8 de novembro. No domingo, a ex-secretária de Estado fez um discurso na Universidade St. Augustine, na Carolina do Norte, para estimular o voto antecipado dos eleitores negros.

Tanto na Flórida como no Arizona e em Nevada, Estados com grande presença latina, as pesquisas mostram uma disputa acirrada. Os cerca de 16,2 milhões de latinos registrados para votar podem ter um papel decisivo nas eleições.

Trump tenta um último empurrão na Flórida, onde tem cinco eventos de campanha nesta segunda, para tentar reduzir a vantagem de Hillary em um Estado no qual ele deve ganhar para conquistar a Casa Branca. Porém, a campanha in loco na Flórida começou tarde, especialmente se for comparada com a máquina democrata, que trabalhou com mais intensidade para mobilizar os eleitores a votarem a partir desta segunda, quando começou a votação antecipada.

Contestação. O republicano rebate as pesquisas com poucos levantamentos que o colocam à frente de Hillary. Nesta segunda, ele repercutiu no Twitter os números da Rassmusen Reports, que entrevistou 1.500 eleitores e mostra Trump com 43% das intenções de voto a 41% da democrata. Como a margem de erro é de 2,5%, o resultado representa empate técnico.

Outra pesquisa divulgada pela Investor's Business Daily e TechnoMetrica Market Intelligence Tracking Poll apresenta um empate de 42% entre Hillary e Trump se não forem levados em conta os candidatos de partidos minoritários. Esse levantamento, que entrevistou 815 prováveis eleitores, tem margem de erro de 3,6% e o instituto de pesquisa responsável foi considerado o mais confiável nas eleições presidenciais de 2012.

No entanto, a média das pesquisas que o site Real Clear Politics realiza dá para Hillary Clinton uma vantagem de seis pontos sobre Trump, que não chega a 40% das intenções de voto, sem considerar os candidatos de formações independentes, liderados pelo Partido Libertário e o Verde. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Donald TrumpHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.