Em carta a Bush, Ahmadinejad pede "novas soluções" para conflito

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, escreveu uma carta a seu homólogo americano, George W. Bush, pedindo "novas soluções" para reverter o complicado relacionamento entre o Irã e as potências ocidentais. O movimento foi anunciado nesta segunda-feira e aparentemente tem como objetivo abrandar o voto dos EUA e seus aliados durante a reunião do Conselho de Segurança (CS) que decidirá que postura o organismo tomará em relação ao programa nuclear iraniano. O encontro acontece esta semana. A decisão do CS pode resultar na adoção de sanções contra a nação Islâmica.A carta representou uma mudança abrupta na postura de Ahmadinejad, que nos últimos meses vinha mantendo fogo aberto contra a administração Bush acusando-a de negar injustamente o direito dos iranianos de produzir combustível para usar em suas usinas nucleares. Para o governo dos Estados Unidos e países aliados, o programa iraniano está sendo usado para encobrir o desenvolvimento de armamento atômico.Está é a primeira vez que um dirigente iraniano se dirige diretamente a um presidente dos Estados Unidos em mais de 27 anos, e pode ser um sinal de que Ahmadinejad demanda ser tratado de igual para igual nas negociações para que o impasse entre os dois países chegue ao fim. Irã e EUA não possuem relações diplomáticas desde a revolução islâmica iraniana que derrubou o regime monárquico do Xá Reza Pahlevi, em 1979.O porta-voz do Governo que comunicou a decisão de Ahmadinejad, Gholam-Hossein Elham, não mencionou a polêmica em torno da questão nuclear e disse que a carta tem como objetivo encontrar soluções para os antigos desentendimentos entre os EUA e o Irã. As relações entre os dois países estão abaladas desde a Revolução Islâmica de 1979. "Nesta carta, o presidente Ahmadinejad faz uma análise da situação no mundo e as raízes dos problemas, e oferece propostas para sair desta situação difícil", disse Elham.Qualquer entendimento entre Washington e Teerã, no entanto, deve passar por uma resolução para a questão nuclear.O porta-voz, em entrevista coletiva em Teerã, assinalou também que a carta será entregue à embaixada da Suíça na capital iraniana, que representa os interesses dos EUA no país asiático desde os anos 80.Os Estados Unidos anunciaram publicamente que renovariam os contatos com o Irã através de seu embaixador no Iraque, Zalmay Khalilzad, que está autorizado a falar com o iranianos sobre a violência no Iraque.NegociadorNa Turquia, o principal negociador iraniano disse que a carta "pode levar a uma nova abertura diplomática", mas alertou que ela não contém nenhuma menção a um possível abrandamento da posição iraniana.Ali Larijani se recusou a dar detalhes sobre o conteúdo da carta, mas disse: "Talvez ela possa levar a uma nova abertura diplomática. Esperemos."Segundo Larinjani, Teerã quer uma solução pacífica para as crescentes tensões com Washington. Ele está na Turquia - um importante aliado dos EUA na região - atrás do apoio de Ancara durante as discussões do Conselho de Segurança.Em Washington, o Porta-voz de Segurança Nacional de Bush, Stephen Hadley, disse nesta segunda feira que o governo não recebeu tal carta, e reiterou a posição dos EUA em relação ao programa nuclear iraniano."A comunidade internacional tem sido bastante clara quanto ao que o Irã precisa fazer", disse Hadley. "Eles devem retomar a suspensão de suas atividades nucleares se querem abrir uma porta para a diplomacia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.