Em carta, italiano que atacou Berlusconi pede desculpas

Massimo Tartaglia, o homem que agrediu o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, mandou uma carta ao político de 73 anos na qual pede desculpas por seu ato "covarde", além de afirmar que não tinha motivação política. "Eu não me reconheço", escreveu Tartaglia, de 42 anos, na carta levada por seus advogados ao hospital onde está o primeiro-ministro.

AE-AP, Agencia Estado

15 de dezembro de 2009 | 10h04

Ao ser atacado com uma réplica em miniatura da catedral de Milão enquanto cumprimentava partidários, Berlusconi quebrou o nariz, perdeu dois dentes e sofreu cortes no rosto. Após a agressão, Tartaglia foi detido. Caso condenado, ele pode ser preso por até cinco anos. Promotores informaram que o agressor tem um histórico de dez anos de problemas mentais.

Berlusconi deixará o hospital somente amanhã. Ele está internado desde domingo. Boletim médico divulgado hoje pela administração do hospital milanês San Raffaele também recomenda que o primeiro-ministro não participe de atividades públicas por pelo menos duas semanas. Ele ainda sente dores, mas sua condição já não é tão preocupante. Em razão dos acontecimentos, Berlusconi teve que cancelar sua presença na conferência climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Copenhague.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.