REUTERS/Anton Vaganov - 11/6/2020
REUTERS/Anton Vaganov - 11/6/2020

História indica que primeira vacina pode não ser a melhor

A busca para desenvolver uma vacina é frequentemente caracterizada como uma corrida, e passa a impressão de que o que importa é quem chega primeiro à linha de chegada

Rodrigo Turrer e Paulo Beraldo , O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2020 | 21h00

Em 1768, a imperatriz russa Catarina, a Grande, se ofereceu para ser vacinada contra a varíola, em um esforço para mostrar aos súditos que a técnica médica emergente era segura. Na ocasião, a Rússia enfrentava uma severa epidemia de varíola. Ela contratou o médico inglês Thomas Dimsdale, que defendia um método de inoculação de pus de doentes com sintomas leves de varíola em pessoas saudáveis para que eles não se infectassem – um método que era usado havia tempos em países orientais.

Ela foi inoculada em segredo, mas a carruagem mais rápida da Rússia ficou a postos caso algo acontecesse a Catarina e seus súditos quisessem linchar Dimsdale. A operação foi um sucesso, Catarina se recuperou em poucos dias, e o método de inoculação preventiva se espalhou.

Tudo isso aconteceu 30 anos antes do médico inglês Edward Jenner se consagrar ao vacinar o jovem James Phipps com fluidos das pústulas de vacas com varíola bovina, que preveniram Phipps de contrair a doença. O método ficou consagrado por ser mais seguro que a inoculação em pessoas saudáveis do pus de pacientes com varíola. 

A história é o melhor exemplo de como, na ciência, nem sempre a primeira vacina é a melhor. “As pessoas acham que a vacina mais útil é a que sair primeiro. A vacina mais útil é a que tenha o resultado completo, integral, mais positivo para o público” afirma o médico Márcio Sommer Bittencourt, pesquisador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP (CPCE-USP) e mestre em saúde pública.

“Um pedaço sempre é o preço, mas outro muito importante é a segurança. E outro é a eficácia. E o último pedaço é a logística. A vacina que tiver o melhor balanço entre preço, eficácia, segurança e logística, é a vacina que vai dar certo. E talvez seja mais de uma porque elas podem ser parecidas.”

A busca para desenvolver uma vacina é frequentemente caracterizado como uma corrida, e passa a impressão de que o que importa é quem chega primeiro à linha de chegada. Mas o primeiro cruzar a linha não é necessariamente o melhor - e quase certamente não é o fim da corrida, que pode durar anos. “A vacina que vai ganhar é a que nessa combinação tiver o melhor perfil. Pode ser a terceira ou a quarta, pode sair meses depois da primeira ou daqui anos”, diz Márcio. 

Especialistas em saúde pública e a própria OMS tem alertado para que a busca pela vacina mais efetiva não será rápida - e nem vai se encerrar com a descoberta da primeira. “O cenário realista provavelmente será mais parecido com o que vimos com o HIV/AIDS”, disse ao Washington Post Michael Kinch, especialista em desenvolvimento e pesquisa de medicamentos da Universidade de Washington.

“Com o HIV, tivemos uma primeira geração de medicamentos bastante medíocres. Receio - e as pessoas não gostam de ouvir isso, mas estou constantemente dizendo isso - temos de nos preparar para a ideia de que não teremos uma vacina muito boa. Meu palpite é que a primeira geração de vacinas possa ser medíocre." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.