Em cima da hora, premier turco diz que receberá Bento XVI

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, confirmou nesta segunda-feira que o papa Bento XVI se encontrará na terça-feira com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, em uma sala do aeroporto de Ancara. A reunião acontecerá na chegada do pontífice à Turquia, primeira visita de Bento XVI a um país de maioria muçulmana. A princípio, Erdogan disse que não poderia se reunir com o papa porque teria que participar da cúpula da Otan em Riga, na Letônia, nesta terça e quarta-feira. No entanto, o primeiro-ministro mudou de idéia no domingo e deixou aberta a possibilidade de um rápido encontro com o pontífice antes de partir rumo à Letônia. O papa chegará a Ancara dois dias depois que cerca de 20 mil muçulmanos participaram de uma manifestação nas ruas de Istambul, para protestar contra a sua visita ao país. Os muçulmanos exigem desculpas do papa por causa de um discurso feito na Alemanha em setembro, que provocou violentas reações no mundo islâmico por ser considerado ofensivo à religião de Maomé. Ele sugeriu que o islamismo seria uma religião manchada pela violência. Por duas vezes o papa, cuja visita ao país está sendo considerada delicada e perigosa, explicou publicamente que suas palavras foram mal interpretadas. Ele também encontrou-se com representantes do mundo muçulmano para reafirmar sua intenção de dialogar, mas não chegou a pedir desculpas. Além disso, antes de se tornar papa, em 2004, Bento XVI se manifestou contra a entrada da Turquia na União Européia, argumentando que o país não compartilha os valores religiosos e culturais do grupo. Mas, de acordo com vaticanista Luigi Accatoli, a polícia e o exército turcos vão conseguir manter a ordem. Segundo o vaticanista, eles conhecem bem os grupos extremistas e são muito bem preparados. Bento XVI chegará na Turquia por volta das 13 horas (9 horas de Brasília) e após se reunir com Erdogan durante alguns minutos, vai iniciar sua visita ao mausoléu de Mustafá Kemal Atatürk, o fundador do Estado turco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.