Raul Lodoza/El Diario
Raul Lodoza/El Diario

Em Ciudad Juárez, cartéis convertem jornalismo em atividade de alto risco

CIUDAD JUÁREZ, MÉXICO

, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2010 | 00h00

Desde que o presidente mexicano, Felipe Calderón, declarou guerra aos cartéis, em dezembro de 2006, 6,5 mil pessoas morreram em Ciudad Juárez, na fronteira com os EUA. Nos últimos três anos, 230 mil deixaram a cidade, 20 mil casas foram abandonadas e 10 mil crianças ficaram órfãs. No meio do fogo cruzado estão dezenas de jornalistas que relatam o cotidiano de violência.

Na cidade mais perigosa do mundo, o mero exercício da profissão tornou-se um risco mortal. "São 23h50. Acabei de relatar dez crimes em menos de seis horas. Durante todo o dia morreram 15 pessoas. Na maioria dos casos, cheguei antes das forças da ordem. Para conseguir, escutei os diálogos truncados do rádio da polícia, que é constantemente monitorado por jornalistas", escreve Judith Torrea, jornalista freelancer, numa premiada reportagem sobre a violência em Ciudad Juárez.

"O rádio também é usado pelos traficantes, que ocasionalmente anunciam a autoria de crimes interrompendo o sinal ao som de corridos mexicanos (um gênero de música popular): algumas músicas são as preferidas do cartel de Juárez, outras do de Sinaloa", conta Judith, que escreve em seu blog "Ciudad Juárez, à sombra do narcotráfico".

Ainda que acuados, os jornalistas da cidade prometem continuar cobrindo a violência ao longo da fronteira do México com os EUA, mesmo depois de pistoleiros terem executado Luis Carlos Santiago Orozco, de 21 anos, fotógrafo do jornal El Diario, na semana passada.

O assassinato foi manchete de todos os jornais do México. Calderón condenou a morte de jornalistas, mas não divulgou nenhuma nova informação sobre os assassinos do fotógrafo. A morte de Santiago Orozco, executado em um estacionamento de shopping em plena luz do dia, ocorreu dois anos após o assassinato de Armando Rodríguez, repórter do Diario, executado na porta de casa quando saía para levar sua filha para a escola. O crime permanece impune e as investigações não avançaram.

"A cidade escapou pelas nossas mãos", lamentou José Luis González, fotógrafo do jornal. No domingo, o Diario publicou um editorial direcionado aos cartéis. "Não queremos mais mortes", escreveu o editor do jornal. "É impossível realizar nosso trabalho sob essas condições."

O Diario, porém, promete continuar a cobertura agressiva da violência. "Prova disso é nossa manchete de hoje (ontem)", afirmou um jornalista, que pediu para não ser identificado. A reportagem era sobre o fracasso do governo em conseguir provas para condenar quatro homens acusados de assassinar 55 pessoas na cidade. Como é comum no México, poucos casos são resolvidos. "É o império da impunidade", disse o jornalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.