Em coma desde 2006, ex-premiê israelense Ariel Sharon pode deixar hospital

Político de 82 anos deve ser transferido para fazenda da família no sul de Israel.

BBC Brasil, BBC

11 de novembro de 2010 | 17h21

Sharon comandou a invasão do Líbano em 1982

O ex-premiê israelense Ariel Sharon, em coma desde 2006, pode deixar o hospital onde se encontra e ser transferido para sua residência nos próximos dias, segundo fontes ouvidas pela BBC.

A transferência para sua fazenda em Negev pode ocorrer a partir desta sexta-feira.

No mês passado, médicos do hospital Sheba em Tel Aviv disseram que Sharon permanece em estado vegetativo mas em condição estável.

"Ele tem períodos de sono e, durante o dia, ele abre os olhos. Em alguns momentos a família acredita que ele reconhece alguns", disse o médico da família Shlomo Segev à BBC.

Supervisão

O hospital confirmou estar preparando a transferência para a fazenda no sul de Israel onde a esposa de Sharon foi sepultada.

"Inicialmente, Sharon sairá em ferias", disse o hospital por meio de um comunicado.

O hospital supervisionará se a equipe médica privada contratada pela família conseguirá manter o ex-premiê de 82 anos em condição estável.

"Estas iniciativas... abrem caminho para que ele volte em definitivo para casa", disse o comunicado.

Ariel Sharon foi eleito premiê em 2001 prometendo alcançar "paz e segurança duradouras".

Ele promoveu a expansão do Estado e começou a construção da barreira israelense na Cisjordânia. Apesar da oposição interna, Sharon ordenou o desmantelamento de quatro assentamentos na Cisjordânia e quatro em Gaza.

Como ministro da Defesa, Sharon conduziu a invasão militar do Líbano em 1982.

Durante a campanha militar, militantes cristãos aliados de Israel massacraram centenas de palestinos em campos de refugiados que estavam sob controle israelense.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
ariel sharonisraelcoma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.