Wilson Dias/Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil

Em conferência sobre paz no Oriente Médio, Araújo abordará tratamento a refugiados

Em contraponto às notícias de que o evento em Varsóvia está esvaziado, integrantes do governo brasileiro destacam a participação de países importantes da região como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Catar e Israel

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 18h08

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fará amanhã, 14, uma apresentação com o tema Refugiados - Desafio no Oriente Médio e a Experiência Brasileira durante a conferência de paz sobre o Oriente Médio que se realiza em Varsóvia, na Polônia. O apoio brasileiro a migrantes da Venezuela é apontado como um exemplo de sucesso.

Segundo fontes do governo brasileiro, a conferência não é negociadora e não se espera que sejam tomadas posições. A proposta é fazer uma “discussão franca” sobre a crise na região, o que é visto como uma “oportunidade diplomática”. 

A realização da conferência foi anunciada em janeiro pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e é vista como uma tentativa de isolar o Irã. No entanto, foi recebida com reticência pela Europa. A representante para Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, boicotou o encontro. Outros países optaram por enviar um nível baixo de representação. A Rússia, aliada do Irã, anunciou que não participará.

Declaradamente alinhado aos EUA, o Brasil estará presente. Em contraponto às notícias que o evento está esvaziado, integrantes do governo brasileiro destacam a participação de países importantes da região: Arábia Saudita, Emirados Árabes, Catar e Israel. Também ressalta a presença de chanceleres de países como Japão, Reino Unido, Itália e Canadá.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.