Em crise com EUA, Rússia pode abandonar tratado de 1987

O chefe do Gabinete Militar russo, general Yuri Baluyevsky, disse nesta quinta-feira, 15, que Moscou pode abandonar um acordo de redução de armas assinado com os EUA em 1987, que prevê o fim da produção e utilização de mísseis nucleares de curto e médio alcance.O tratado entrou em vigor em junho de 1988 e foi assinado pelo então presidente dos EUA, Ronald Reagan, e pelo ex-líder soviético Mikhail Gorbachev. A decisão de abandonar ou não o acordo vai depender, segundo Baluyevsky, da disposição dos EUA de dar continuidade à instalação de um sistema de defesa antimísseis na Polônia e na República Checa."Nós devemos estar atentos ao que nossos parceiros americanos estão fazendo", afirmou o general russo, em entrevista a uma agência local. "A intenção deles de instalar sistemas antimísseis na Europa é inexplicável." No fim de semana, o presidente russo, Vladimir Putin, atacou os EUA e disse não confiar nas declarações do governo americano, que alegou estar instalando o sistema de defesa nos países do leste europeu para evitar eventuais ameaças por parte do Irã.Durante uma conferência sobre segurança em Munique, na Alemanha, no último sábado, Putin disse que o tratado de redução de armas assinado em 1987 estava ultrapassado. De acordo com ele, desde então, muitas outras nações desenvolveram mísseis nucleares de curto e médio alcance.O presidente russo disse ainda que Moscou vê a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) - da qual a Rússia não participa - como uma ameaça. Recentemente, as relações diplomáticas entre Washington e Moscou têm sido abaladas também por divergências sobre o Iraque e outras crises globais.O tratado assinado pelos dois países em 1987 favoreceu o aumento da segurança na Europa e o colaborou para o fim da Guerra Fria. Na ocasião, os EUA destruíram cerca de 850 mísseis, enquanto a União Soviética eliminou outros 1.850 dispositivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.