Em crise com Israel, Turquia recebe Abbas

ISTAMBUL

Afp, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2010 | 00h00

O presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, desembarca hoje em Istambul, em meio à pior crise na história das relações entre Turquia e Israel. O líder do Fatah - grupo inimigo do Hamas, que controla a Faixa de Gaza - deve ser recebido pelo presidente turco, Abdullah Gul.

A visita à Turquia é a primeira etapa de um tour que Abbas fará pela Europa e EUA. O ponto alto da viagem será o encontro do líder palestino com o presidente Barack Obama, na quarta-feira.

Ancara retirou seu embaixador de Tel-Aviv depois que comandos israelenses mataram nove ativistas turcos em águas internacionais, há exatamente uma semana. Sob forte comoção nacional, Gul prometeu na sexta-feira que "Israel verá que cometeu um dos piores erros de sua história".

Além do encontro com o colega turco, Abbas prestará homenagem às vítimas da ação israelense e participará da Conferência sobre Interação e Confiança na Ásia (Cica), realizada este ano em Istambul. Entre os convidados do encontro estão figuras polêmicas, como os presidentes iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e Sírio, Bashar Assad, além de líderes de potências, como o russo Vladimir Putin.

Israel também participa oficialmente da Cica, mas anunciou que enviará um funcionário de seu consulado em Istambul para a cúpula. Espera-se que o evento retome a ofensiva retórica contra o governo israelense que veio à tona após o ataque a Frota da Liberdade.

Biden no Egito. Enquanto Abbas parte para a Turquia, país que se tornou o porta-voz da revolta do mundo islâmico contra a ação israelense, o vice-presidente dos EUA, John Biden, desembarcou ontem no Egito para se encontrar com o presidente Hosni Mubarak no balneário de Sharm-el-Sheik.

Dois dias após o assalto israelense no Mediterrâneo, o governo egípcio decidiu abrir parcialmente sua fronteira com Gaza. O Egito apoia o bloqueio israelense ao território palestino e tem planos de construir um muro subterrâneo para desarticular os túneis usados para contrabandear produtos a Gaza.

A colaboração de Mubarak com Israel, porém, é amplamente condenada no Egito e no restante do mundo árabe e islâmico. Após a tragédia da Flotilha da Liberdade, o premiê turco, Recep Tayyip Erdogan, caiu nas graças dos países muçulmanos ao atacar duramente Israel.

A parada no Egito faz parte de um tour que Biden fará pela África. O vice de Obama também irá ao Quênia e estará na abertura da Copa, na África do Sul /

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.