Em Cuba, internet segue lenta, apesar de cabo venezuelano

Apenas pequena parcela da população tem permissão para acessar a rede em casa; mesmo para eles, conexão é lenta e cara.

Sarah Rainsford, BBC

26 Maio 2012 | 19h24

Conectar-se à internet em Cuba é, na melhor das hipóteses, difícil. Na pior, impossível.

Apenas uma pequena parte da população tem permissão para acessar a rede em casa, como cientistas ou trabalhadores de empresas estrangeiras.

Mesmo para eles, a conexão é insuportavelmente lenta, através de telefone, e cara. Há hotéis com acesso à internet via WiFi, mas seu custo é de US$ 8 por hora, equivalente à metade do que ganha por mês um trabalhador estatal.

Mas nesta semana o ministro venezuelano de Ciência, Jorge Arreaza, disse a jornalistas estrangeiros que o esperado cabo submarino de fibra ótica que levará internet de alta velocidade a Cuba já está em operação.

"Dependerá do governo de Cuba para que o utiliza, não? Obviamente este é um assunto soberano deles, mas sabemos que o cabo submarino está em plena operação", disse Arreaza em entrevista coletiva.

As autoridades cubanas ainda não comentaram o assunto. Esta é a primeira informação oficial que se tem sobre o cabo em mais de um ano.

Expectativa

Em uma cerimônia no ano passado, foi anunciada a chegada da alta velocidade graças ao cabo de fibra ótica venezuelano, o que gerou grande expectativa.

O governo sempre culpou o embargo dos Estados Unidos pela má qualidade da internet cubana: sem um cabo que uma a ilha ao continente, o país precisa se conectar através de satélite, a um custo considerável.

As autoridades consideraram o cabo uma vitória contra o embargo americano. Enquanto isso, para os cubanos, o fim da falta de conexão à internet parecia iminente.

Mas o que se seguiu à cerimônia foi o silêncio. Surgiram rumores sobre complicações técnicas, e outros sobre o medo do governo de perder o controle da informação.

Logo se falou que os encarregados do projeto haviam sido presos por malversação de fundos.

Mas nesta semana, em Havana, o presidente do Supremo Tribunal cubano, Rubén Remigio, negou que alguém estivesse sendo julgado por essas acusações em qualquer corte cubana, apesar de ter agregado que isso não significava que não houvesse alguma investigação em curso.

Também disse, em entrevista à BBC, que não havia notado nenhuma melhora na conexão à internet que tem em seu gabinete.

"Creio que estão fazendo ajustes técnicos", disse Remigio. "Não sei. Mas estamos ainda esperando."

Enquanto isso, ao escrever esta reportagem para a BBC, a minha lenta conexão à internet caiu. Lá fora está chovendo... a interferência dos elementes é um sinal claro de que eu, ao menos, sigo conectada à internet através de satélite. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
also cuba internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.